Evonik amplia capacidade global de produção de aditivos

79
índice de viscosidade
Planta de aditivos da Evonik em Cingapura, uma das duas que a empresa tem na Ásia.

A Evonik anunciou ontem que está expandindo sua capacidade de produção de melhoradores de índice de viscosidade baseados em polialquilmetacrilato em 15% para atender à crescente demanda. O fornecedor de aditivos para óleos lubrificantes tem característica de produção global, incluindo três fábricas na Europa. A empresa disse que aumentará sua capacidade de produção através de projetos de expansão de plantas e operações de melhoria de produtividade.

“Metade desse aumento de capacidade já está implementado; o restante está programado para ser concluído em 2021 ”, afirmou a Evonik em um comunicado à imprensa. A empresa possui fábricas na Europa, em Darmstadt e Weiterstadt, na Alemanha, e em Lauterbourg, na França; na Ásia, em Cingapura e em Xangai, na China; nos Estados Unidos, em Mobile, Alabama e Houston, Texas; e no Canadá, em Morrisburg, Ontário.

O comunicado à imprensa afirmou que a expansão da capacidade de produção está associada a seus esforços para aumentar consistentemente o negócio de aditivos de óleos lubrificantes para aplicações especiais.

Ásia-Pacífico impulsiona melhoradores de índice de viscosidade

“A região da Ásia-Pacífico está impulsionando a demanda por melhoradores de índice de viscosidade baseados em polialquilmetacrilato”, disse a consultora da indústria Geeta S. Agashe, presidente da Geeta Agashe & Associates LLC. Agashe observou que, embora a tendência em alguns mercados aponte para óleos de motor de viscosidade mais baixa que atendam às especificações de novas categorias para carro de passageiros, como a ILSAC GF-6 , podendo diminuir a demanda por aditivos melhoradores de I.V., o crescimento de outros lubrificantes que usam esses aditivos e uma mudança em algumas regiões para óleos multigrau devem ajudar a impulsionar o crescimento da demanda.

“Na verdade, os graus de viscosidade 0W e 5W exigem um nível mais baixo de taxas de tratamento de melhoradores de I.V., digamos, em comparação com 10W, 15W, etc.”, explicou Agashe. “Portanto, a otimização da formulação de óleos de baixa viscosidade para atender ILSAC GF-6A e 6B terá um impacto negativo na demanda por melhoradores de I.V. Além disso, os óleos de baixa viscosidade suportam intervalos de drenagem mais longos, em comparação com os óleos multigraus de viscosidade mais alta. Isso também pode diminuir a demanda. ”

No entanto, ela acrescentou que o crescimento de fluidos de transmissão automática, óleos de engrenagens e fluidos hidráulicos – especialmente em regiões de rápido crescimento – ajudará o crescimento da demanda desses aditivos, assim como a mudança de óleos monograu para multígraus, em vários mercados em crescimento.

Polialquilmetacrilato com boa demanda

Agashe explicou que os polímeros de polialquilmetacrilato proporcionam um aumento muito bom do índice de viscosidade, são estáveis ​​ao cisalhamento e têm excelente fluidez em baixa temperatura, o que é importante para fluidos de transmissão automática, óleos de engrenagens e fluidos hidráulicos multigrau, especialmente aqueles projetados para serem resistentes a fogo. “Eles também são usados ​​em aplicações PCMO de alto nível, especialmente formulações japonesas, devido a alguns benefícios de fricção”, disse ela. “Os polímeros PMA também são usados ​​como depressores do ponto de fluidez.”

Os melhoradores de I.V. baseados em Polietilmetacrilato também são produzidos pela Lubrizol e Afton Chemical, observou Agashe.

Em 2015, a Evonik concluiu uma expansão em sua fábrica de aditivos para óleo em Cingapura para quase dobrar a capacidade naquele local, que produz os melhoradores de índice de viscosidade e depressores do ponto de fluidez com a marca Viscoplex, juntamente com fluidos básicos da marca Viscobase. Quando anunciada, no final de 2013, a empresa havia citado a expansão da mobilidade e a crescente demanda por lubrificantes de alto desempenho, com maior conteúdo de aditivos na Ásia como justificativa.