Produção de óleo básico dos EUA foi a maior em 20 anos

47

 

Óleo básico dos EUA

Os produtores de óleos básicos dos Estados Unidos aproveitaram a oportunidade, enquanto o sol brilhava no ano passado sem interrupções, para produzir 67,3 milhões de barris – o maior volume em duas décadas, de acordo com dados do governo recentemente divulgados.

O cálculo de 2018 da U.S. Energy Information Administration também mostrou aumento contínuo nos níveis de exportação, já que 60% dos óleos básicos mineral produzidos no país foram enviados para o exterior. As importações também aumentaram – em consonância com a crescente demanda por óleos básicos do grupo III.

Lançados em 8 de março, os totais finais de produção de produtos de petróleo do EIA para 2018 mostraram que as refinarias do país produziram 57,3 milhões de barris de óleos básicos parafínicos no ano passado e 9,8 milhões de barris de naftênicos. O valor combinado foi de 2,2 milhões de barris a mais que em 2017 e foi o maior desde 1998, quando a produção também foi de 67,3 milhões de barris.

Fontes do setor atribuíram a alta produção à falta de grandes interrupções – como as relacionadas ao clima – em 2018, junto com os recentes aumentos na capacidade dos EUA. Em 2015, a ExxonMobil concluiu uma grande expansão de sua planta em Baytown, no Texas. Um ano antes, a Chevron havia aberto a quarta maior fábrica do país em Pascagoula, no Mississippi.

Mercado bom para compradores

O suprimento de óleo básico foi nivelado globalmente à medida que as aberturas e expansões de plantas ao redor do mundo criaram um excedente significativo de capacidade. Fontes disseram que foi criado um mercado de compradores, ajudando os misturadores de lubrificantes e outros tipos de consumidores de óleo básico, dando-lhes uma maior escolha de onde e como obter suas necessidades e reprimindo os preços.

“É definitivamente uma coisa boa para os compradores hoje”, disse Mike Burnett, vice-presidente de vendas e marketing da Renkert Oil, uma distribuidora de óleos básicos e óleos especiais baseada em Morgantown, na Pensilvânia.

Outros disseram que o nível de produção dos EUA não parece provocar uma diferença dramática no mercado doméstico, sustentando que os custos do petróleo bruto ainda são o maior fator nos preços do óleo básico.

“Nós não notamos um grande impacto”, disse Tom Downs, presidente do fabricante de lubrificantes industriais W.S. Dodge Oil, de Maywood, Califórnia. “O petróleo bruto disparou no primeiro semestre do ano, e os preços dos óleos básicos aumentaram várias vezes e depois permaneceram altos e até subiram novamente depois que os preços do petróleo bruto recuaram”.

Refinadores certamente reclamaram durante o ano de 2018 que as margens estavam sendo espremidas, e havia rumores de refinadores desviando a matéria-prima dos óleos básicos para a produção de destilados como o diesel, onde as margens haviam sido menos prejudicadas. As fontes entrevistadas para este artigo especularam que os refinadores não fizeram muito disso.

“Honestamente, eu não acredito que isso aconteceu em grande escala”, disse Burnett. Ele acrescentou, no entanto, que ainda pode se tornar um fator na produção de óleo básico em 2019. “Você pode ver mais isso acontecendo este ano”.

Aumento nas exportações de óleo básico

O impacto do aumento da produção no mercado interno pode ter sido atenuado pela quantidade de volume enviada para outros países. As exportações subiram para 39,8 milhões de barris em 2018, acima dos 36,2 milhões de barris do ano anterior. O México recebeu de longe a maior parte desse volume – pouco mais de um quarto. Bélgica, Brasil e Canadá foram os próximos entre 8% e 9% cada. As exportações subiram cinco anos consecutivos e estão acima dos cerca de 25 milhões de barris em 2014.

“O México aumentou significativamente o nível de exportações dos EUA, refletindo o fraco desempenho da refinaria do Grupo Pemex [em Salamanca] e a demanda contínua pelo Grupo II e Grupo III”, disse Ernie Henderson, presidente da K & E Petroleum Consulting.

As importações aumentaram em menor quantidade – de 15 milhões de barris em 2017 para 15,6 milhões de barris no ano passado. As maiores fontes foram Coréia do Sul, Canadá e Catar, que abrigam fontes significativas de estoques de base do Grupo III. Os EUA produzem apenas pequenos volumes do Grupo III, que é cada vez mais necessário para fabricar lubrificantes como óleos para motores de automóveis de passageiros.