Fábricas de motos revisam projeções para cima

Mercado interno aquecido resulta em nova estimativa de 1,1 milhão de unidades para 2019

88
Apesar da melhora no cenário interno, produção anual será menor que a registrada em 2005

Projeções de 2019

O crescimento do mercado interno levou as fábricas de motos instaladas em Manaus a revisar ligeiramente para cima quase todas as projeções de 2019. Segundo a Abraciclo, entidade que reúne empresas do setor, a produção anual deverá atingir 1,1 milhão de unidades, 6,1% a mais que em 2018. A estimativa anterior era de 1,08 milhão. Este novo ânimo decorre basicamente das 258,6 mil unidades emplacadas neste primeiro trimestre, que resultaram em alta de 17,9% sobre o mesmo período do ano passado. Ainda assim, a indústria local fecharia o ano abaixo de 2005, quando mais de 1,2 milhão de motos foram produzidas.

A Abraciclo também elevou ligeiramente a estimativa para os emplacamentos: em vez de 998 mil, 1,02 milhão de motos: “Este número poderia ser mais alto, mas sem as reformas necessárias (pelo governo) dificilmente conseguiremos fazer o PIB voltar a crescer”, diz o presidente da associação, Marcos Fermanian, ao justificar uma revisão tão tímida das projeções.

A entidade reviu para cima as vendas no atacado: em vez de 1,03 milhão, 1,06 milhão de motocicletas vendidas das montadoras para as concessionárias. Na comparação com 2018 isso resultará em alta de 10,7%.

Exportações cairão

De todas as projeções, a única revista para baixo foi a de exportações. Em vez de 49 mil unidades, a associação das fábricas estima agora 40 mil motos, o que resultará em queda de 41,2% em relação a 2018. Vale dizer que nos anos recentes as vendas ao exterior vinham cumprindo o papel de um 13º mês para a indústria. O volume exportado a cada ano era parecido com um mês de mercado interno. Este ano, ficará abaixo da metade de um mês fraco.

Neste primeiro trimestre de 2019 o Brasil exportou apenas 11,4 mil motocicletas, 51,2% a menos pela comparação interanual. A falta de reação do mercado argentino, principal destino das motos brasileiras, derrubou os embarques. Pelo mesmo motivo, a exportação de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus poderá ser revisada para baixo em maio.

Entrevista com Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo