Análise de óleos em uso: Laboratório próprio ou de terceiros?

126

Marcos Thadeu Lobo

Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional de Suporte Técnico em Produtos. E atualmente exerce a função de Consultor Técnico Sênior.

Vale a pena investir em laboratório próprio para análise de óleos lubrificantes em uso? Esta pergunta é feita por muitos gestores da área de manutenção de equipamentos móveis e industriais quando entra em discussão a questão das análises de óleos lubrificantes em uso como instrumento da Manutenção Preditiva ou da Manutenção Proativa.

A decisão quanto a se montar laboratório próprio de análise de óleos lubrificantes em uso (in-house) ou  recorrer a serviços prestados  por laboratórios externos (off-site) não se pode basear, somente, em custos. O usuário de análises de óleos lubrificantes em uso poderá optar pelo uso exclusivo de uma ou outra modalidade ou por um misto de ambas.

Figuras 1/2 – Laboratório próprio para análise de óleos lubrificantes em uso

A percepção para alguns usuários de serviços prestados por laboratório próprio de análise de óleos lubrificantes em uso é que os custos por amostra ficam significativamente inferiores àqueles por laboratórios externos.

Figuras 3/4 – A questão não deve ser focada unicamente em custos

Esta abordagem, porém, pode ser um tanto quanto equivocada devido aos:

– custos envolvidos na compra de instrumentos adequados à montagem;

– custos envolvidos na calibração e manutenção da aparelhagem;

– custos da manutenção das instalações físicas;

– custos de salários e treinamento dos técnicos responsáveis pela realização dos ensaios laboratoriais;

– custos dos consumíveis empregados na realização dos testes laboratoriais.

Ao se levar em consideração todos os custos anteriormente citados pode ocorrer que efetuar análises físico-químicas em in-house seja mais oneroso que se contratar serviços de laboratórios externos.

Figuras 5/6 – Há vantagens em se ter laboratório próprio para análise de óleos

Como vantagens em se ter laboratório próprio para análise de óleos lubrificantes em uso pode-se mencionar:

– retorno rápido dos resultados da análises físico-químicas com vistas à tomada de decisões;

– possibilidade de imediata reamostragem e reanálise de amostras  em caso de dúvidas;

– mensagem de responsabilidade enviada ao setor de manutenção e de produção com respeito à importância da lubrificação na preservação da disponibilidade e da confiabilidade do maquinário móvel ou industrial.

Figuras 7/8 – Vantagens: resultados rápidos, possibilidade de imediata reamostragem e mensagem de responsabilidade

Há, porém, algumas desvantagens ao se optar por laboratório próprio para análise de óleos lubrificantes em uso ( in-house ), tais como:

– considerável investimento em instrumental;

– necessidade de contratação, formação e treinamento de técnicos em análises laboratoriais;

– manutenção de gastos referentes à realização de ensaios que se encontram disponíveis, somente, em laboratórios off-site .

Ferramentas “in-house” para análise de óleos lubrificantes em uso podem ser muito úteis ao prover, de forma rápida,  informações  extremamente necessárias quando da necessidade de tomada imediata de decisões visto que maquinário indisponível  tem custo muito elevado.

É de fundamental importância, porém, ter-se em mente que, muito  embora ferramentas in-house para análise de óleos lubrificantes em uso possam gerar dados animadores a serem usados pelo staff de manutenção, há algumas dificuldades em se viabilizar um programa de correlação intralaboratorial ou interlaboratorial destinado a se aferir com precisão os resultados dos  ensaios físico-químicos realizados.

Ensaios físico-químicos efetuados com procedimentos diferentes podem gerar resultados diversos.

Figuras 9/10 – Necessidade de decisões imediatas: maquinário indisponível custa caro

Estão disponíveis no mercado uma ampla gama de kits para uso em análise on-site de óleos lubrificantes em uso nas plantas industriais ou sites de manutenção de equipamentos móveis. Porém, antes de se decidir pela adoção de uso da metodologia in-house para análise de óleos lubrificantes em uso é muito importante que tenhamos bem em mente a seguinte pergunta: “Como serão utilizadas as informações obtidas ?”

Figuras 11/12 – E as informações ? Como serão utilizadas ?

Em tempos de incertezas na economia e de restrições em investimentos devemos optar pela adoção de tecnologias que adicionem valor ao processo de manutenção e produção.

Laboratório na tomada de decisões

Não obstante a decisão tomada, se pela aquisição de ferramentas de campo ou pelo uso dos serviços oferecidos por laboratórios comerciais na análise de óleos lubrificantes em uso, o importante é que os laudos de análise obtidos sejam realmente utilizados como auxílio efetivo à tomada de decisões na manutenção de equipamentos móveis ou industriais. Caso isto não possa realmente ser efetuado, seria prudente adiar estes investimentos. Pode-se começar o processo de análise por se averiguar quais as informações são realmente necessárias e, então, pesquisar que ferramentas in-house estão disponíveis para a aplicação desejada.

laboratórioFiguras 13/14 – Modelos híbridos tem se mostrado eficientes

Como resumo às citadas considerações pode-se afirmar que os programas de análise de óleos lubrificantes em uso de melhor eficiência são os híbridos, ou seja, compostos por análises realizadas in-house (com ferramental e tecnologias adequados ao atendimento das metas, expectativas e orçamento da empresa) e suplementados por serviços oferecidos por laboratórios comerciais acreditados.

Figura 15 – O projeto deve ser realista de forma a não frustrar expectativas

 

Outros artigos do Autor

Líquido de arrefecimento tem função importante no motor

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Formação de verniz em sistemas de lubrificação – PARTE 2

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Testando a demulsibilidade do óleo lubrificante

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Formação de verniz em sistemas de lubrificação – PARTE 1

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Requisitos para lubrificação de compressores de refrigeração

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...