Óleo Lubrificante: como escolher a especificação certa

A viscosidade do óleo com o motor frio e quente é o principal fator a ser avaliado na hora da troca. Saiba como ler a embalagem

246

Viscosidade não se vê no óleo escorrendo, mas na embalagem (Christian Castanho/Quatro Rodas)

 

Óleo Lubrificante

Comprar leite nunca foi uma tarefa tão complicada quanto hoje em dia. Antigamente, você ia até a padaria, pegava um saquinho do tipo A, B ou C e estava tudo certo. Agora a prateleira de leites no supermercado parece um cardápio.

Tem leite integral, desnatado, semidesnatado, leite de soja, leite sem lactose, com ferro…  Se para comprar uma simples embalagem de leite já está complicado, o que dizer do óleo lubrificante do motor do seu automóvel?

Também há uma série de requerimentos e especificações e, conforme a evolução dos motores, os óleos também foram ficando mais sofisticados.

Embalagem do lubrificante

Afinal, como ler a embalagem do lubrificante e saber que ele é exatamente o que seu motor precisa? 

Os rótulos devem informar a natureza do produto (mineral, semissintético ou sintético), a quantidade embalada, a composição, a aplicação a que se destina (motores ou tipos de combustível, transmissões, diferenciais etc.), o grau de viscosidade, os níveis de desempenho e benefícios, assim como advertências e precauções quanto ao manuseio, estocagem, transporte e descarte depois de utilizado ou sem uso.

Viscosidade e performance

Destas, as principais informações são a viscosidade e o requerimento de performance. Elas deverão estar de acordo com o que está estabelecido no manual do veículo.

“A viscosidade é a unidade de medida de fluidez de um lubrificante, ou seja, quanto maior a viscosidade, menor é a fluidez do lubrificante, e vice-versa”, explica Otávio Campos, consultor técnico da Shell.

Ele usa como exemplo a diferença entre a água e o mel. “Em uma mesma temperatura, a água flui mais rapidamente que o mel. Portanto, a viscosidade do mel é maior que a da água”, compara.

Para definir o nível de viscosidade, é utilizado o grau SAE (sigla em inglês para Sociedade dos Engenheiros Automotivos) (Reprodução/Quatro Rodas)

Nível de viscosidade

Para definir o nível de viscosidade, é utilizado o grau SAE (sigla em inglês para Sociedade dos Engenheiros Automotivos) expresso em números. Quanto maior o número, mais alta a viscosidade.

Por exemplo, um óleo SAE 40 é mais viscoso que um SAE 30. Atualmente, as montadoras indicam o uso de lubrificantes com multiviscosidade, ou seja, que têm um grau de viscosidade em baixas temperaturas e outro diferente em altas temperaturas.

Isso porque o principal influenciador da viscosidade é a temperatura. “É preciso ter um óleo que seja fluido o suficiente para a partida, com o motor frio, e eficiente para proteger os componentes do motor na temperatura normal de trabalho”, define Campos.

Daí vem a classificação feita por dois números separados pela letra W (do inglês winter, que significa inverno). Um lubrificante 5W30, por exemplo, tem viscosidade SAE 5W em baixas temperaturas e SAE 30 em temperatura de trabalho.

Requerimentos de performance

Já os requerimentos de performance são estabelecidos por associações automotivas reconhecidas na indústria, como a API (americana) e a ACEA (europeia), que definem um nível mínimo de desempenho que o lubrificante precisa atender, como degradação e evaporação, compatibilidade com componentes do motor e economia de combustível, entre outros aspectos.

Consultor da gerência de tecnologia e desenvolvimento da Petrobras, Marco Antonio de Almeida explica que a especificação de desempenho API para motores a gasolina, etanol, flex ou a gás (GNV) varia de SJ a SN.

Motores a diesel ou biodiesel

Para motores a diesel ou biodiesel, ela vai de CH-4 a CK-4. E qual usar no seu carro? Simples: utilize o óleo com o desempenho que consta do manual do veículo ou superior. 

Campos, da Shell, lembra que a segunda letra da especificação acompanha o alfabeto, ou seja, quanto mais avançada no alfabeto, maior o índice de performance.

Isso significa que a SN supera a SJ em termos de tecnologias. “Atualmente, a API SL é a mais antiga especificação do mercado, enquanto a SN é a mais moderna”, diz o consultor.

Também não é raro que algumas montadoras estabeleçam seus próprios requerimentos de performance, definidos por testes adicionais aos da API.

A Volkswagen, por exemplo, dispõe de uma especificação própria para seus motores bicombustíveis, chamada norma VW 50888 / 50999, para uso nos seus modelos em garantia a partir de 2014.

Fique de olho na garrafa

NATUREZA DO ÓLEO

Revela a origem do produto: mineral, semissintético (às vezes indicado como de “base sintética”) ou sintético. Quando a informação não está na parte frontal, geralmente é porque é do tipo mineral,  mas sempre deve constar no verso.

ÍNDICE DE VISCOSIDADE

É indicado pelo número que vai depois da palavra SAE. Quanto maior esse valor, mais viscoso (espesso) é o lubrificante. Quando há dois números, o que vai antes da letra W revela a viscosidade em baixas temperaturas e o que vai depois, em temperatura de serviço.

NÍVEL DE DESEMPENHO 

O padrão de performance mais comum no mercado brasileiro é o API, que atualmente começa no nível SJ (o mais baixo), passa por SL, SK e SM e vai até o SN (o mais elevado). Para motores a diesel, o padrão varia de CH-4 até CK-4.

DETALHES DA EMBALAGEM

Pelas regras da ANP, todo frasco deve exibir a quantidade de produto (geralmente é de 1 litro, mas há embalagens de 5 e 20 litros). Boa parte das marcas passou a adotar também um filete translúcido na lateral, que permite ver o nível do óleo depois que o frasco é aberto.