Lubrificantes marítimos: um mercado desafiador e em crescimento

75

Os profissionais de marketing de lubrificantes marítimos e seus clientes enfrentarão vários desafios significativos nos próximos anos, mas o mercado está crescendo e ainda oferece oportunidades para fornecedores novos e existentes.

É por isso que o segmento está atraindo novos participantes, embora não seja fácil fornecer o que os clientes querem, disse Caroline Huot, chefe de lubrificantes globais da Cockett Marine Oil Group, no mês passado na ICISAsian Industrial Lubricants Conference, em Cingapura.

“O mercado de lubrificantes marítimos é uma oportunidade de crescimento, apesar de muitos desafios e restrições”, disse Huot.
A demanda global por lubrificantes marítimos foi de 2,35 milhões de toneladas em 2017, estimou ela, acrescentando que esses volumes trouxeram US $ 4,5 bilhões em receita de vendas. As embarcações asiáticas consumiram a maior parte desses produtos – 1,2 milhão de toneladas, ou 49% – seguidos pela Europa e Rússia (900.000 toneladas). Embarcações originárias da África, Oriente Médio e Índia consumiam apenas 200.000 toneladas, enquanto as baseadas nas Américas consumiam apenas 90.000 toneladas.

A frota japonesa foi a maior consumidora na região Ásia-Pacífico, respondendo por 340 mil toneladas, disse Huot, seguida pela China com 250 mil toneladas, a sul-coreana com 140 mil toneladas e a combinação de Cingapura e Indonésia com 130 mil toneladas. Ela observou que nove das 15 maiores companhias de navegação do mundo estão localizadas na Ásia.

Principais fornecedores de lubrificantes marítimos

Os principais fornecedores de lubrificantes marítimos estão baseados em outros lugares, disse Huot. A ExxonMobil responde por 21% dos volumes globais de vendas, a BP Castrol por 18%, a Shell Lubricants por 16%, a Total por 13%, a Chevron por 7% e a Lukoil por 3%.

As companhias de navegação são empresas exigentes, disse ela, explicando que esperam altos níveis de serviço ao cliente e conhecimento técnico para ajudar a proteger seus navios. “Esses navios são ativos caros, então o valor está nos serviços”, disse Huot. Oitenta e cinco por cento dos volumes de lubrificantes marítimos são comprados em contratos, e não em vendas à vista, portanto, a capacidade de fornecer suprimentos em todo o mundo é uma chave para o sucesso.

O mercado enfrentará vários novos desafios nos próximos anos, incluindo regulamentações como redução dos níveis de enxofre nos combustíveis marítimos, mandatos de uso de produtos ambientalmente aceitáveis, evolução contínua no projeto de equipamentos e pressões para reduzir custos, proporcionando melhorias na eficiência operacional.

Isso não impede que novos fornecedores entrem no mercado, disse ela, citando a japonesa JXTG, a Indian Oil, a chinesa Sinopec, a espanhola Cepsa, a Enoc dos Emirados Árabes e a russa Gazprom. Huot acrescentou, no entanto, que existe “ausência de uma estratégia global ou investimento na maioria dos casos”.