12 dicas de carro velho que ajudam a preservar um novo

Mesmo com a intensa evolução dos automóveis nos últimos anos, antigos conselhos ainda valem para fazer alguns componentes durarem mais

101

12 dicas de carro velho

Pisar na embreagem ao dar a partida, não descansar a mão sobre a alavanca o câmbio, evitar virar a direção até o fim do batente. Essas dicas que ouvíamos dos nossos pais diziam respeito a carros com pouca dose de tecnologia.

Saiba que os carros evoluíram, ganharam injeção direta, aceleradores eletrônicos, assistência elétrica na direção, porém simples recomendações ainda garantem a maior duração dos componentes.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)
 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

1) Ao ligar o motor

Aquela pisada no pedal da embreagem ainda ajuda, não só por questões de segurança – vai que o carro está engrenado. Ao desacoplar o sistema na hora de virar a chave, o conjunto fica mais leve, especialmente na primeira partida do dia.

“Em uma situação crítica, óleo, motor e câmbio não estão na temperatura ideal e ao ligar você estará arrastando algumas engrenagens. A longo prazo, isso vai fazer o sistema durar mais”, diz Marcio Azuma, diretor da Associação de Engenharia Automotiva (AEA).

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

2) Ainda na partida

Acionar o motor com ar-condicionado e faróis desligados também permanece válido. Apesar de mais modernas e com amperagem maior, as baterias são mais exigidas em tais situações, o que reduz sua vida útil.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

3) Olho no ar-condicionado

Desative o condicionador de ar um ou dois minutos antes de chegar ao seu destino. Isso vai poupar o filtro de cabine e estender sua eventual troca. A água do sistema condensa quando se desliga o motor com o ar gelando, o que ainda colabora para aquele cheiro de mofo característico.

“Isso evita a condensação da umidade dentro do veículo, nas saídas do ar e nas partes frias. Ou seja: normaliza a temperatura interna do automóvel, o suficiente para essa umidade evaporar”, explica Renan Feghali, professor de engenharia do Ibmec-RJ.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

4) Não seja afoito

Acelerar demais o carro com o motor frio continua sendo ruim para o conjunto. Leva um tempo para o óleo chegar à temperatura e viscosidade ideais e lubrificar todas as partes do motor.

Ao trabalhar em giros altos e bruscos, muitas partes móveis entrarão em atrito e terão mais folgas. Lembre-se que, nesse processo, cabeçotes e cilindros costumam ser as últimas partes a receber a lubrificação.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

5) Pobre câmbio

Aquele repouso da mão na alavanca do câmbio danifica a transmissão. O hábito força o contato dos garfos seletores com os anéis sincronizadores e tensiona o cabo do trambulador.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

6) Mão nervosa

Para quem tem carro automático, nada de fazer mudanças de D para R em movimento, o que provoca trancos desnecessários no câmbio. Além disso, há aquela dica para estacionar da maneira correta: joga no Neutro, aciona o freio de estacionamento e aí, sim, coloca a alavanca em P.

“Esse processo não força tanto o sistema. Ao parar, o carro está com a suspensão traseira elevada e a frente baixa. Ao jogar direto para Parking, todo o peso daquele movimento que o carro ainda fará para ficar assentado vai em cima do câmbio”, orienta Azuma.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

7) Pé folgado

Sim, repousar o pé no pedal da embreagem, por mais leve que seja, ainda basta para gerar o acionamento mínimo do sistema. Ou seja: atrito e desgaste desnecessários do conjunto.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

8) Direção nos extremos

Dar fim de batente na direção de vez em quando nem faz tanto mal. O problema é ficar segurando o volante no limite de qualquer um dos lados quando a assistência é hidráulica, que trabalha com fluido.

Nessa situação, a pressão do líquido chega ao seu pico de temperatura, o que compromete a durabilidade do sistema. “No caso da direção elétrica, também não é recomendável, mas o próprio sistema desarma automaticamente”, ressalta Azuma.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

9) Parada brusca

Semáforo vermelho lá na frente? Dose o freio e vá parando aos poucos. Frear bruscamente gera atrito extremo, o que acelera o desgaste de pastilhas e discos. “Ao modular o pedal do freio, você gera menos calor, mas o atrito suficiente, mantendo o poder de frenagem”, avisa Feghali.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

10) Todo torto

A carroceria dos modelos atuais é projetada para lidar com situações de torção diferentes. Mas estacionar frequentemente só com uma ou duas rodas em cima de valetas, meios-fios ou buracos pode cansar a carroceria e antecipar o surgimento de ruídos internos, além de provocar desgaste do pneu e na suspensão.

“As partes de borracha vão ceder com o tempo, o que exigirá alinhamento antes do previsto”, afirma Azuma.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

11) Na lombada

O ideal é soltar o freio pouco antes de subir na lombada, para não descer do quebra-molas com o freio acionado. Isso evita trancos na suspensão dianteira, que não estará totalmente comprimida e ainda terá um pouco mais de curso para absorver o impacto.

 (Marcos Torres/Quatro Rodas)

12) Só no cheirinho?

Alguns acham que é mito, mas andar sempre na reserva ajuda a detonar a bomba de combustível. É que a peça tem um motorzinho elétrico interno que é refrigerado pelo próprio combustível do tanque. Baixo nível do reservatório significa maior aquecimento e maior desgaste.