Veículos elétricos – Países asiáticos na dianteira

37
A Nissan anuncia a introdução em 8 mercados da América Latina da nova geração do veículo 100% elétrico Nissan LEAF. O modelo será vendido na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Uruguai e Porto Rico durante o próximo ano fiscal. Nissan Leaf - Brasil A empresa também está considerando a introdução do Nissan LEAF em outros mercados da região, incluindo Peru e Panamá. Nissan Leaf - Brasil A chegada do novo Nissan LEAF à América Latina faz parte do plano de negócios global da montadora, o “Nissan M.O.V.E. to 2022”, que prevê, entre outros aspetos, a introdução de modelos elétricos em mais mercados. Nissan Leaf - Brasil O Leaf que chegará à América Latina já é a nova geração do veículo - revelado no Japão em setembro de 2017 e estará disponível em mais de 60 mercados no mundo todo. Nissan Leaf - Brasil O novo Nissan LEAF foi completamente renovado trazendo design mais dinâmico, maior potência e autonomia, e novas tecnologias de assistência de condução, como o sistema e-Pedal, que reduz o estresse do condutor, permitindo dirigir com um só pedal.
Nissan Leaf

Veículos elétricos

As vendas globais de veículos elétricos (VEs) estão crescendo rapidamente, a partir de uma base pequena, mas estão concentradas até hoje, em um grupo de países, incluindo China, Japão e Coréia do Sul. A China respondeu por metade do 1,2 milhão de vendas de VEs em 2017, o triplo do número de vendas nos EUA.

Com base nos padrões atuais de vendas e no ritmo desigual de investimento nas redes de carregamento de baterias, o relatório sobre perspectiva dos lubrificantes em veículos elétricos da Lubes’n’Greases descobriu que as populações de carros em alguns países poderiam mudar para os veículos elétricos enquanto, ao mesmo tempo, outros mercados continuam dominados por modelos alimentados apenas por motores de combustão interna – pelo menos nas próximas décadas.

Como observado no Informe Anual de 2019, a grande maioria das vendas globais de carros híbridos e os puramente movidos a bateria ocorreu até agora em uma dúzia de países, incluindo China, Japão e Coréia do Sul, além de partes da Escandinávia e algumas outras nações europeias e os Estados Unidos. A China tem o maior número de veículos elétricos, seguida pelos Estados Unidos, enquanto a Noruega tem a maior concentração de veículos eletrificados.

A China

A China respondeu por metade do 1,2 milhão de vendas de VEs em 2017, o triplo do número de vendas nos EUA, e quase manteve essa participação, com vendas de 83.672 no primeiro trimestre de 2018. O Japão registrou 10.732 VEs durante esse trimestre, para classificar terceiro, enquanto a Coréia do Sul registrou vendas de 3.581, ficando com o nono lugar.

Há também uma divisão urbano-rural para os VEs, pois as vendas estão concentradas nas cidades. A maioria das vendas de veículos elétricos na China tem estado em um punhado de grandes cidades.

Investimento em redes de estações de carregamento

Sem surpresa, os países líderes em vendas de VEs também fizeram o maior investimento em redes de estações de carregamento de baterias. A China tem, de longe, a rede mais extensa, com aproximadamente 213.000 pontos de carregamento públicos, em comparação com 54.146 nos EUA, 38.670 na Coréia do Sul e 27.250 no Japão. Os países com os principais níveis de vendas de VEs ofereceram incentivos significativos para encorajar a demanda, e o relatório anual compara as várias abordagens políticas adotadas.

O ritmo acelerado de crescimento

O ritmo acelerado de crescimento nas vendas de veículos elétricos traz preocupações à indústria de lubrificantes, em grande parte devido ao fato de que os carros que funcionam apenas com bateria não contêm óleo para motor. Como o relatório anual observa, as previsões para uma futura penetração de VEs variam muito, mas várias análises previram que terão um impacto moderado nos volumes de vendas de óleo de motores de automóveis e que os volumes globais de PCMO continuarão aumentando por algumas décadas, embora em ritmo mais lento do que seriam se não fosse pelos VEs.

Também se espera que a eletrificação criará novas demandas para fluidos e graxas de transmissão, embora as necessidades específicas variem dependendo dos detalhes do projeto do veículo.