Um futuro mais claro para o desenvolvimento de especificações

86

Desenvolvimento de especificações

Um grupo da Indústria, organizado pelo American Petroleum Institute – API, está avançando nas recomendações para melhorar o processo de desenvolvimento de uma especificação para óleo de motor. Uma proposta deverá ficar pronta no segundo trimestre do próximo ano, de acordo com Kevin Ferrick do API.

 

Conferência Pan Americana da ICIS

Um painel de discussão durante a Conferência Pan Americana da ICIS sobre Óleos Básicos e Lubrificantes, realizada New Jersey, trouxe a público o trabalho do Grupo de Revisão de Desenvolvimento de Padrões de Lubrificantes, que visa aliviar o sofrimento da indústria. , disse Kevin Ferrick, que é gerente do Sistema de Licenciamento e Certificação de Óleo de Motor do API.

Com as especificações de óleo de motor para serviço pesado CK-4 e FA-4 fora do caminho e a próxima especificação de carro de passageiros, ILSAC GF-6, quase concluída, “é hora de focar em uma abordagem estratégica ao invés de tática” para desenvolvimento de nova especificação , afirmou Ferrick durante a discussão.

Os membros da LSDRG (incluindo o Comitê Consultivo de Padronização Internacional de Lubrificantes, a Associação de Fabricantes de Motores, o Conselho Americano de Química, os comerciantes de óleo de motores e os fabricantes de óleos básicos) têm se reunido mensalmente, há cerca de um ano. Os objetivos do grupo são beneficiar os consumidores, permitir ciclos de desenvolvimento com eficiência de tempo, promover testes econômicos, desenvolver testes relevantes em campo e permitir a inovação dentro do setor.

O grupo também quer aumentar os benefícios para as partes interessadas por meio da confiabilidade, proteção do motor, redução de emissões, melhor sustentabilidade e maior previsibilidade da introdução de novos padrões.

Suporte aceitável para a indústria de lubrificantes

A atual abordagem para o desenvolvimento de especificações já não fornece suporte aceitável para a indústria de lubrificantes, um fato destacado pelo atraso de quatro anos da ILSAC GF-6. “Atrasos no desenvolvimento da categoria podem ter repercussões caras”, lembrou Ferrick.

O API SN Plus, um padrão desenvolvido para resolver problemas urgentes de campo com pré-ignição a baixa velocidade, requereu dos comerciantes de óleo necessários uma reformulação de seus produtos com antecedência – e provavelmente não com as especificações completas – do GF-6. “Se o GF-6 tivesse chegado a tempo, não haveria necessidade do SN Plus”, admitiu ele.

No entanto, o padrão provisório também “demonstrou que quando todos os interessados ​​se unem em equipe, podemos agir rapidamente e conseguir algo no lugar”, observou Angela Willis, da General Motors, que também é presidente do Painel de Classificação de Óleo para Motor de Carros de Passageiros da ASTM International.

As partes interessadas estão preocupadas com o valor entregue pelas novas categorias, uma vez que o desenvolvimento da categoria se tornou cada vez mais desafiador e dispendioso, informou Ferrick. A compatibilidade com versões anteriores está se tornando mais complexa e os atrasos estão colocando em risco a disponibilidade de hardware para testes de motor.

O processo atual

O processo atual oferece uma oportunidade limitada para antecipar as necessidades de lubrificação da futura tecnologia de motores, concentrando-se em necessidades imediatas e passadas. Um processo de desenvolvimento de testes perenes permitiria maior planejamento e introdução oportuna de novas categorias.

No passado, um processo de desenvolvimento de testes ad hoc funcionou porque os requisitos de teste eram menos complicados do que são hoje, disse Joan Evans, da Infineum. Ela relatou que a European Manufacturers Association – EMA expressou preocupação com o fato de menos fabricantes de equipamentos originais estarem dispostos a participar do desenvolvimento de testes, após a introdução do API CK-4.

O LSDRG reconhece a necessidade de um processo de planejamento que comece de cinco a sete anos antes que uma nova especificação seja necessária. “Você tem que administrar isso como faria com qualquer outro projeto da empresa, e precisamos de insumos anuais para continuar”, disse Evans.

O desenvolvimento de testes e o financiamento precisam ser um esforço compartilhado entre todos os grupos de interessados, continuou Willis. “Hoje em dia, geralmente é uma ou duas montadoras selecionadas, o que se torna um dreno, depois de um tempo, em recursos, experiência e orçamento – e muito menos parte da estratégia bancária para apoiar a categoria.”

Alguns fabricantes de motores pediram ajuda para desenvolver e financiar testes, disse Ferrick. Uma abordagem pode ser usar fundos dos programas de licenciamento de óleo para motores do API. Os profissionais de marketing de petróleo acham a ideia aceitável, ele relatou, já que o API já fornece financiamento para algumas partes do desenvolvimento, como matrizes de teste de precisão.

Enquanto isso, o ILSAC GF-6 ainda está a dois anos do primeiro uso permitido, que será em 2020, e os participantes do painel não pareciam otimistas em relação ao prazo solicitado pelos fabricantes de equipamentos originais de abril daquele ano. “É difícil desenvolver química até o teste estar completo e você saber o que está testando”, explicou Evans.