China e EUA discutem próxima etapa de negociações

35
China x Estados Unidos
Bandeira da China e dos Estados Unidos são vistas em Virgínia 09/11/2018 REUTERS/Yuri Gripas

China x Estados Unidos

PEQUIM (Reuters) – A China e os Estados Unidos discutiram na terça-feira o roteiro para o próximo estágio de suas negociações comerciais, durante uma ligação telefônica entre o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, e o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, e o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer.

Os presidentes Donald Trump e Xi Jinping concordaram em uma reunião em 1º de dezembro na Argentina com uma trégua que adiou o aumento planejado para 1º de janeiro das tarifas dos EUA de 10 por cento para 25 por cento sobre 200 bilhões de dólares em produtos chineses.

Lighthizer afirmou no domingo que, a menos que as negociações entre EUA e China se encerrem com êxito até 1º de março, novas tarifas serão adotadas.

Em um breve comunicado, o Ministério do Comércio da China afirmou que Liu conversou com Mnuchin e Lighthizer nesta terça-feira no horário de Pequim, em uma ligação pré-arranjada.

Consultas econômicas e comerciais

“Ambos os lados trocaram opiniões sobre colocar em vigor o consenso alcançado pelos líderes dos dois países na reunião, e sobre avançar com o cronograma e roteiro para a próxima etapa do trabalho de consultas econômicas e comerciais”, disse o ministério, sem dar detalhes.

Um porta-voz do Tesouro dos EUA confirmou a ligação com Liu, mas não deu mais detalhes. O gabinete do representante de Comércio dos EUA não respondeu imediatamente.

O Wall Street Journal, citando pessoas familiarizadas com a questão, disse que Liu planeja ir a Washington no início do ano.

Liu, principal assessor econômico de Xi, está liderando as negociações pelo lado chinês.

Em declarações divulgadas separadamente pelo Ministério das Relações Exteriores da China, o principal diplomata do governo, o conselheiro de Estado Wang Yi, disse que se a China e os EUA cooperarem, vai beneficiar o mundo todo.

“Se a China e os EUA forem antagonistas, não haverá vencedores, e afetará o mundo todo”, disse Wang a um fórum.