Graxa é graxa, tem certeza disso?

Graxas à base de sulfonato de cálcio: vantagens e desvantagens

80

GraxasGraxa é graxa, certo?

Infelizmente, a resposta não é tão simples assim, porque existem muitos tipos de graxa. Se a graxa adequada não está sendo utilizada no maquinário, é seguro que estão ocorrendo gastos excessivos em peças de reposição. Por outro lado, o uso de graxa adequada auxilia o equipamento a operar longos períodos sem necessidade de manutenção. O ponto em questão é saber que graxa deve ser utilizada para determinada aplicação.
As graxas à base de sulfonato de cálcio já existem há mais de 50 anos e possuem duas peculiaridades bem interessantes que as tornam bastante atraentes em relação a outros tipos de graxa:

  • Dessemelhantes de outras graxas, as graxas à base de sulfonato de cálcio possuem propriedades inerentes de Extrema Pressão (EP);
  • Podem ser formuladas como graxas “food grade” atendendo à especificação NSF H-1.

Há disponíveis, no mercado, variados tipos de espessantes para graxas, possuindo, cada qual, os seus pontos fortes e as suas debilidades. De forma resumida, podemos dizer que as graxas à base de lítio (as mais comuns) são compostas por um ácido graxo, usualmente ácido 12-hidroxiesteárico, e uma base de lítio para produzir um sabão que atua como espessante da graxa. Aditivos são, então, adicionados para dar à graxa características EP (Extrema Pressão) e outras propriedades adicionais que permitam aos maquinários operar em condição máxima de esforço.

Graxa à base de sabão de lítio

Para se formular uma graxa à base de sabão complexo de lítio, parte do ácido graxo é substituída por outro tipo de ácido (usualmente um diácido), tendo como resultado um sabão complexo. A estrutura híbrida do sabão complexo de lítio tem a particularidade de suportar temperaturas de operação mais elevadas em relação ao sabão de lítio, sem que ocorram alterações na estrutura mecânica da graxa, ou separação entre o espessante e o óleo lubrificante. Ou seja, Ponto de Gota mais elevado.

O Ponto de Gota (temperatura em que a graxa passa do estado sólido ou pastoso ao estado líquido) serve como indicação da temperatura máxima à qual determinada graxa pode operar sem que ocorra excessiva separação entre o óleo lubrificante e o espessante. Por terem Ponto de Gota bastante mais elevados em relação a alguns tipos de graxa (ex. graxa à base de sabão de lítio), as graxas à base de sulfonato de cálcio são muito propícias para uso em aplicações em que ocorram elevadas temperaturas de serviço.

Leia o restante do artigo na revista LUBES EM FOCO – edição 69, apresentada abaixo: