China é o segundo produtor mundial de naftênicos

32
Foto: Humphery/Shutterstock

A China deverá ser a segunda maior produtora de óleos naftênicos este ano, com 35 por cento da produção mundial desse tipo de básico, e espera-se que o crescimento do mercado continue. A produção deverá atingir 37.500 barris por dia, em 2018.  A liderança nesse segmento deverá continuar com os Estados Unidos, que detém uma fatia de 44 por cento de mercado.

“De acordo com as projeções do mercado, a produção dos Estados Unidos deve atingir cerca de 48.100 b/d, mantendo a liderança, vindo em terceiro lugar a Suécia com 7% (7.600 b/d), seguida da Alemanha com 6% (6.300 b/d)”, comentou Rene Abrahams, assessor técnico para lubrificantes da Ásia-Pacífico da Nynas, na primeira Conferência Industrial Asiática de Lubrificantes da ICIS, este mês.

Produção chinesa de naftênicos se iguala a de grupo I

A produção de óleo base naftênico doméstico da China está quase no mesmo nível de óleo parafínico API do Grupo I, em 24% ou 39.750 b/d. “A participação dos naftênicos na carteira de óleos básicos está próxima da dos óleos básicos do Grupo I, e a demanda é atendida principalmente por fornecedores locais, com material importado proveniente predominantemente da Europa”, acrescentou Abrahams.

A maior produtora de naftênicos era a estatal PetroChina, responsável por mais de 40% da produção do país ou 15.600 b/d, seguida pela Panjin Northern Asphalt com 26% ou 9.600 b/d, enquanto a China National Offshore Oil Co. teve uma participação de 25% com 9.500 b/d. Os 7% restantes (2.800 b/d) foram produzidos pela Zhonghai Jinxiang. Abrahams disse que apesar dos aumentos de capacidade, a produção doméstica em 2017 “foi insuficiente para satisfazer a demanda, e o país contou com importações para fechar a lacuna”.

China com quase 40% da produção mundial

O volume de produção deverá continuar a aumentar e, em 2020, quase 40% da capacidade naftênica mundial poderá vir da China. Os óleos naftênicos respondem por cerca de 40% dos óleos básicos usados ​​no setor industrial para fabricar óleos de borracha, óleos isolantes e de refrigeração e graxas lubrificantes, segundo a Nynas.

“O mercado de eletricidade na China está se estabilizando depois de um período de excesso de oferta, impactando negativamente a demanda por óleos de transformadores”, disse Abrahams. Além disso, “o número de grandes projetos no país diminuiu significativamente e, portanto, espera-se que a demanda por óleos para transformadores cresça a uma taxa baixa a moderada durante os próximos cinco anos”.

No entanto, “o mercado de borracha na China registrou um crescimento saudável e ainda é o setor com as melhores perspectivas para os óleos naftênicos”, acrescentou.

Óleo para pneus com extrato aromático

Ainda segundo Abrahams, a China é um grande produtor global de pneus e não regula o conteúdo de compostos aromáticos em pneus nacionais. Como tal, quase metade da demanda por óleos de borracha é servida por extratos aromáticos, enquanto óleos de borracha de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos são usados ​​principalmente para o mercado de exportação, com extratos aromáticos destilados e óleos naftênicos compartilhando a maior parte deste mercado.

No entanto, a provável introdução de uma regulamentação de rotulagem de pneus impulsionará a demanda por óleos de borracha de maior qualidade para o mercado interno. “A demanda por óleos de borracha naftênica é atendida tanto por fornecedores chineses locais quanto por importação e espera-se que cresça a uma taxa de moderada a alta”, concluiu.