Nova geração não quer mais ter carro próprio

0
75

Carro próprio

A nova geração está mais preocupada em viver experiências do que ter um carro próprio ou uma casa. Entenda melhor esse cenário e todas as mudanças que estão ocorrendo no mercado.

 

Antes os jovens não viam a hora de completar 18 anos para serem maiores de idade, ter habilitação e o próprio carro.

O automóvel, que foi sonho de consumo por muito tempo, agora já não agrada tanto e deixou de ser um sonho de consumo e um bem necessário para muitos.

Nos últimos anos, as vendas de automóveis vem apresentando um crescimento pequeno, se comparado aos anos anteriores e o número de pessoas que tiraram a habilitação no Brasil também diminuiu.

Motoristas com idade entre 18 a 25 anos

Em 2014, para os motoristas com idade entre 18 a 25 anos foram emitidas 495 mil novas habilitações. Em 2017, esse número diminuiu para 382 mil. Esse é um cenário que se repete em diversas partes do mundo.

A diminuição do número de emissão de novas carteiras de motoristas é apenas uma das mudanças que influenciam o cenário automobilístico.

Em uma pesquisa, notou-se que o brasileiro não está interessado em gastar com tecnologia para o veículo. A pretensão de gastos em 2016 era cerca de 35% do valor que se gastaria em 2014.

Cada vez mais se nota a falta de interesse em ter um carro próprio e também de ter itens tecnológicos, uma vez que o smartphone pode oferecer diversos recursos.

O que leva a nova geração a dispensar o carro

O estudo Global Automotive Consumer Study: Future of Automotive Technologie, realizado em 17 países, apontou que as gerações Y e Z utilizam os serviços de compartilhamento. 62% desse grupo informa que utiliza aplicativos de transporte para se locomover e 55% dos brasileiros dessa faixa etária questionam a necessidade de ter um carro.

Essas gerações são conhecidas como geração dos alugadores. Eles preferem alugar e usufruir do bem do que propriamente tê-lo.

Cientes que problemas financeiros

Isso acontece porque eles estão cientes que problemas financeiros podem acontecer e não querem ter de arcar com financiamentos ou gastos. Os valores são diferentes das gerações anteriores, que queriam ter os bens e não pensava tanto em imprevistos.

Quando se fala de jovens então, o valor do seguro de um carro ainda é muito grande devido as estatísticas no trânsito. Uma pesquisa da Smartia Seguros mostrou que o preço médio de um seguro para um Focus para um motorista de 18 a 25 anos é de R$ 7.434,99.

Soma-se a isso o valor das parcelas de financiamento, gastos com combustível, que já não andam barato, e a conta aumenta ainda mais essa tendência de não comprarem mais veículos.

Pagar apenas por aquilo que consomem

Eles se acostumaram a pagar apenas por aquilo que consomem e por isso os serviços de compartilhamento e aluguel são um sucesso.

Além dos aplicativos de transporte, o aluguel de carros por um determinado período tem tido um aumento constante. É possível pagar pelo período que usará o carro e não tem de se preocupar com seguro, manutenção e outros custos que seriam fixos. Todas essas despesas não deixam de existir, mas ficam por conta da empresa que aluga.

As novas gerações estão mais preocupadas em gastar dinheiro com as experiências do que adquirindo coisas e quando se trata de carros isso pode impactar na indústria automobilística.

Se durante anos se investiu em vender carros para o consumidor final, agora está na hora de repensar as estratégias, pois o que se percebe é que o compartilhamento é uma tendência que veio para ficar e que tem agradado. A indústria terá que se reinventar para se adaptar as novas gerações.

Por Jeniffer Elaina