Cuidado com os lubrificantes dos garfos telescópicos das motocicletas

111

Marcos Thadeu Lobo

Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional de Suporte Técnico em Produtos. E atualmente exerce a função de Consultor Técnico Sênior.

Garfos telescópicos de motocicletas

A substituição do óleo lubrificante utilizado em garfos telescópicos de motocicletas é operação de fundamental importância para manter a segurança do condutor. Fato é que muitos usuários de motocicletas, talvez, jamais tenham efetuado a substituição do óleo lubrificante dos  garfos telescópicos  de suas motocicletas.

Garfos telescópicos de motocicletas

Garfos telescópicos de motocicletas
Figuras 1/2 – Garfos telescópicos de motocicletas

 

O ciclo de vida dos  garfos telescópicos de motocicletas depende:

– do tipo de manutenção que é dado a tais componentes mecânicos
– da condição das estradas nos quais a motocicleta trafega
– da eficiência do sistema de freios
– do tipo de uso e regime de serviço da motocicleta

garfo telescópico de motocicleta

Figuras 3/4 – Mecanismo de operação do garfo telescópico de motocicleta

Grau de viscosidade adequado

O grau de viscosidade adequado e o nível de desempenho do fluido hidráulico a ser utilizado dependerá do tipo de garfo telescópico que equipa a motocicleta, do tipo de carga e do estilo de condução. Os fluidos hidráulicos para uso em garfos telescópicos de motocicletas devem satisfazer, a exemplo das transmissões automáticas, severos requisitos referentes à proteção anticorrosiva, resistência à formação de espuma, variação da viscosidade com a temperatura, proteção dos componentes móveis contra o desgaste entre outras características. Estradas muito acidentadas provocam desgaste prematuro nos cilindros, êmbolos e retentores. O contínuo movimento ascendente e descendente dos componentes da suspensão gera atrito e calor, provocando estressamento do fluido hidráulico.

Figuras 5/6 – O fluido hidráulico deve ser substituído periodicamente

Perda das propriedades físico-químicas originais

Com o passar do tempo,  o fluido hidráulico perde parte de suas propriedades físico-químicas originais e, com isto, a habilidade de proteger os componentes mecânicos internos dos garfos telescópicos das motocicletas contra o desgaste. Em face disto, é necessário que se proceda à substituição periódica do fluido hidráulico conforme o programa de manutenção preventiva existente no manual de serviço da motocicleta.

Figuras 7/8 – A substituição do fluido hidráulico deve ser realizada por profissionais habilitados utilizando ferramental apropriado

Categorias de garfos telescópicos

Existem 02 categorias de garfos telescópicos para motocicletas: convencionais e invertidos. A diferença entre garfos telescópicos convencionais e invertidos é a posição do cilindro interno em relação ao centro da roda dianteira. E por que existem estas 02 configurações de garfos telescópicos para motocicletas  ? Para que ocorra uma transferência de peso para o solo de forma mais efetiva, o que influencia na condução e tipo de aplicação da motocicleta. Por exemplo, em motocicletas utilizadas em regime de trabalho ou passeio  será suficiente o uso de garfos telescópicos do tipo convencional. Porém, se a motocicleta for para uso  off-road  seria mais apropriado o uso de garfos telescópicos do tipo invertido. Esta regra, no entanto, não é de uso geral e é o OEM quem define qual o tipo de garfo telescópico a ser utilizado nas motocicletas de sua fabricação.

Figuras 9/10 – Garfos telescópicos: convencionais e invertidos

 

Cada projeto de garfo telescópico de motocicletas demanda fluido hidráulico específico e a substituição do fluido hidráulico é recomendada pelos OEMs, em média, entre 15.000 km e 20.000 km, conforme o regime de uso e da forma de condução da motocicleta.

Figuras 11/12 – A periodicidade de troca depende do regime de uso

Por exemplo, motocicletas utilizadas em regime de  passeio poderiam ter a periodicidade de troca mais estendida ao passo que motocicletas utilizadas em serviço de trânsito urbano ou “off-road” demandam a substituição do fluido hidráulico com mais frequência. Se a motocicleta é utilizada em regime de competição, talvez, seja necessária a substituição do fluido hidráulico a cada prova em face da solicitação extrema a que o produto será submetido.

Figuras 13/14 – Motocicletas utilizadas em competições demandam  substituição de fluido hidráulico a cada prova

O OEM, conforme  o  projeto  do  garfo telescópico, do regime de uso  e  do   tipo  de  serviço   da    motocicleta   indicará    no    manual    de  serviço  qual  o  grau   de  viscosidade  ( ex. SAE 5W; SAE 10W; SAE 15W  ) e o nível de desempenho ( ex. GM Tipo A Sufixo A ) do fluido hidráulico a ser utilizado. Fato é que o uso de fluido hidráulico com grau de viscosidade impróprio levará a encurtamento da vida útil do garfo telescópico e operação irregular da motocicleta.

É importante se frisar que, apenas, mecânicos experimentados utilizando ferramental apropriado deveriam realizar a substituição do fluido hidráulico visto que esta operação é de relativa complexidade, sendo o garfo telescópico componente de extrema importância para a segurança do condutor. Negligenciar a substituição do fluido hidráulico dos garfos telescópicos de motocicletas implicará em desgaste precoce dos seus componentes móveis, avarias,  custosos e  desnecessários reparos. É importante lembrar que o mau funcionamento da suspensão da motocicleta influi diretamente na eficiência do sistema de frenagem e na estabilidade do condução, mesmo que haja possibilidade de regulagem da suspensão. Ou seja, a perda de eficiência de um dos sistemas não poderá ser compensado de forma segura pelo outro.

Diminuição da eficiência do sistema de frenagem

A diminuição da eficiência do sistema de frenagem é diretamente proporcional à velocidade de resposta à compressão efetuada nos garfos telescópicos visto que o peso da motocicleta e do condutor é transferido à roda dianteira quando da frenagem, com alívio da roda traseira e  redução da aderência com a pista de rolamento. A perda do  controle e a derrapagem da motocicleta  podem ocorrer como consequência do mau estado de manutenção dos garfos telescópicos. O citado fato é particularmente agravado quando do contorno em cruzamentos, situação em que,  com frequência,  não se  gira a direção de forma completa, fazendo com que o contato da roda dianteira da motocicleta  com a pista de rolamento diminua e ocorra a derrapagem.

Figuras 15/16 – Garfos telescópicos com deficiente estado de manutenção podem levar à perda de controle e quedas

Atenção com o programa de manutenção

Em face do exposto, recomenda-se a máxima atenção com o programa de manutenção preventiva dos amortecedores e garfos telescópicos de motocicletas visto que a adesão ao roteiro determinado pelo OEM garantirá a boa operação da motocicleta e uma condução segura e prazerosa.

Outros artigos do Autor

Cuidado com os lubrificantes dos garfos telescópicos das motocicletas

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Manutenção preventiva é fundamental: Coroa, pinhão e corrente

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Detectar presença de umidade em fluido de freio é fundamental

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...

Cor do óleo pode ser um sinal de alerta no campo

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...
Figura 11 - Pistolas graxeiras são instrumentos de lubrificação simples e práticos

Cuidados com o manejo e aplicação de graxas lubrificantes

Marcos Thadeu Lobo Engenheiro Mecânico Graduado Pela Universidade Estadual De Campinas ( Unicamp ) em 1985. Ingressou na Petrobras Distribuidora S/A em 1986 como profissional...