Demanda por sintéticos deve aumentar

95
óleos básicos
óleos básicos do Grupo III e Polialfaolefinas crescem no mercado

Demanda por sintéticos

A demanda global por óleos básicos sintéticos deve aumentar a uma taxa anual composta de cerca de 6%, até 2022, devido à crescente demanda por lubrificantes acabados de melhor qualidade, segundo estudo de consultoria internacional. A previsão é que a taxa de crescimento será mais rápida na região da Ásia-Pacífico.

“Embora os básicos sintéticos representem uma pequena porcentagem – cerca de 6% ou 7% – da indústria global de lubrificantes acabados, é um segmento atraente devido ao seu valor e crescimento”, disse Sharbel Luzuriaga, gerente de projetos da Kline. “O negócio global atual de óleos básicos é um mercado comprador”, disse ele ao Lube Report em resposta a perguntas subsequentes.

Demanda da Ásia-Pacífico

Demanda por sintéticos
Asia-Pacific

A Kline projeta que a demanda da Ásia-Pacífico por óleos básicos do Grupo III salte a uma taxa anual composta de aproximadamente 9%, nos próximos quatro anos. Espera-se que a demanda de polialfaolefinas na região aumente a uma taxa anual de cerca de 6%.

O apetite do mercado por bases sintéticas está crescendo em todo o mundo, porque os fabricantes de equipamentos originais e os usuários finais de lubrificantes acabados estão aumentando a barra de desempenho para lubrificantes em muitas aplicações. Até 2022, a demanda global por lubrificantes sintéticos acabados deverá crescer a uma taxa anual composta de 6%, enquanto o consumo de lubrificantes semissintéticos deverá aumentar cerca de 5% ao ano. A Kline prevê ainda que a demanda por lubrificantes convencionais deve cair em torno de 1% ao ano.

O ritmo de crescimento

O ritmo de crescimento varia para diferentes tipos de bases sintéticas, porque algumas são favorecidas, em detrimento de outras, em certas aplicações. “Um dos principais fatores é a competição entre as diferentes bases, impulsionada por seu desempenho, preço, aprovação, endosso e disponibilidade”, disse Luzuriaga.

Globalmente, o Grupo III terá o aumento percentual mais forte na demanda, devido ao aumento da disponibilidade e das vantagens de preço em relação a outras opções de base sintética. A Kline faz distinção entre os básicos do Grupo III +, uma categoria informal de óleos do Grupo III com índice de viscosidade de 130 ou mais, e os básicos do Grupo III, que são definidos como tendo um índice de viscosidade de pelo menos 120.

Fábricas que aumentaram a oferta

Demanda por sintéticos
SK Lubricants

Os volumes do Grupo III + subiram na última década com a abertura de três fábricas – a planta de GTL Pearl, uma joint venture entre a Shell e a Qatar Petroleum; uma joint venture entre a SK Lubricants e a Pertamina em Dumai, na Indonésia; e a fábrica da ADNOC em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos – que juntas respondem por mais de 90% da capacidade global do Grupo III +, ou cerca de 2 milhões de toneladas por ano.

Esses óleos começaram a competir com outros óleos do Grupo III, cuja capacidade global é de aproximadamente 5 milhões t / a, disse Luzuriaga. A capacidade da PAO é de cerca de 1 milhão de t / ano, embora Luzuriaga tenha enfatizado que isso não representa o volume efetivamente produzido.

A capacidade da PAO ainda está se recuperando dos danos que o furacão Harvey infligiu no mercado no ano passado. “De alguma forma, a interrupção do fornecimento de PAO devido ao Harvey aumentou ainda mais a falta de confiança já existente na segurança do fornecimento de PAO”, observou Luzuriaga. “Os fabricantes que operam na área do Golfo estão desenvolvendo ativamente planos de contingência e adotando ações preventivas para minimizar as interrupções futuras do fornecimento e melhorar a percepção do mercado em termos de confiabilidade de fornecimento.”

Demanda de básicos do Grupo III é maior para automotivos

Os óleos do Grupo III e do Grupo III+ são usados ​​principalmente em óleos de automóveis de passageiros, explicou Luzuriaga, enquanto globalmente a maior parte das PAOs é usada em aplicações de lubrificantes industriais. No entanto, a quantidade do Grupo III usada em lubrificantes industriais – 400.000 t / a – ainda excede os 200.000 t / a de PAO utilizadas, devido ao fato de que o fornecimento do Grupo III é muito maior.

“Prevê-se que o consumo de PAOs de alta viscosidade crescerá devido ao crescimento em aplicações industriais”, disse Luzuriaga aos participantes, acrescentando que “aplicações de alta viscosidade são uma área de foco para os fornecedores da PAO”.

O grupo III também é a base sintética mais usada em óleos para motores pesados, com 300.000 t / a, significativamente maior que 150.000 t / a e 100.000 t / a para o Grupo III+ e PAO, respectivamente.

Uma área que os óleos básicos do Grupo III não dominam são as aplicações de óleo de motor para automóveis de passageiros. A demanda do Grupo III para essa categoria é de aproximadamente 700.000 t / a, comparado a 750.000 t / a para o Grupo III+ e 200.000 t / a para o PAO.

Incluindo suas joint ventures na Coreia do Sul, Indonésia e Espanha, a SK é a maior fornecedora de básicos do Grupo III, detendo quase metade da capacidade mundial para essa categoria. S-Oil e Neste seguem com cerca de 20 por cento cada.

A Shell tem 50% da capacidade global do Grupo III+, seguida pela ADNOC, com aproximadamente 25%, e a Pertamina, com cerca de 20%.

Aproximadamente 90% de toda a oferta da PAO é mantida por quatro participantes: ExxonMobil, Ineos, Chevron Phillips Chemical e Lanxess.