Índia segue firme em direção aos básicos de grupo II

0
30

Os óleos básicos de grupo II estão gradualmente ganhando popularidade na Índia e devem superar o Grupo I como a classe dominante até 2030, disse um membro da indústria aos participantes de uma conferência realizada no mês passado.  O Grupo I, que já respondeu por 71% do total, em 2016, poderá cair para menos de 34%, até o ano de 2030.

O consumo geral de óleo básico no país ficou em 2,1 milhões de toneladas em 2016 e deverá aumentar para 2,4 milhões de toneladas até 2020 e 3,2 milhões de toneladas até 2030, disse Farzad Zandi, diretor comercial da Sepahan Oil Co. do Irã, na conferência sobre óleos básicos e lubrificantes nos mercados da Ásia. Oriente Médio e África, no início de agosto.

O Grupo I respondeu por 71% do total em 2016, ou 1,5 milhão de toneladas, disse Zandi, enquanto 400.000 toneladas do Grupo II foram consumidas e 40.000 toneladas do Grupo III, representando 19 e 2%, respectivamente. Até 2020,  Zandi acredita que o consumo do Grupo I cairá para 1,4 milhão de toneladas, o Grupo II subirá para 600 mil toneladas e o Grupo III deverá experimentar um sólido aumento de até 100 mil toneladas.

Até 2030, no entanto, essa proporção vai mudar significativamente, já que a Sepahan prevê que o consumo do Grupo I caia para 1,1 milhão de toneladas, ou 34% do total projetado para aquele ano. O refinador prevê que o consumo do Grupo II suba rapidamente para 1,4 milhão de toneladas, ou 44% do mercado.

“O óleo básico do Grupo I dominará o mercado indiano até 2020, mas perderá grande parte de sua participação para o Grupo II em 2030”, disse Zandi aos participantes da conferência, organizada em conjunto pela Petrosil e a Rex Fuels.

A mudança em direção a óleos básicos mais refinados será impulsionada por vários fatores, incluindo a crescente demanda dos fabricantes de equipamentos originais por desempenho de lubrificantes acabados e normas de emissão cada vez mais rigorosas, disse Zandi. Outros fatores incluem padrões mais rígidos de eficiência de combustível e avanços nas tecnologias de aditivos para lubrificantes.

O segmento de transporte continuará a consumir a maior fatia do mercado de lubrificantes da Índia, já que o volume de lubrificantes para transporte subirá de 1,1 milhão de toneladas em 2016 para 1,3 milhão de toneladas em 2020 e 1,8 milhão de toneladas até 2030, afirmou Zandi. O consumo de lubrificantes industriais, no entanto, também passará por um crescimento saudável, passando de 900.000 toneladas em 2018 para 1 milhão de toneladas até 2020 e 1,4 milhão de toneladas em 2030.

Veículos comerciais – incluindo caminhões, veículos de três rodas, construção, mineração e veículos agrícolas – manterão seu domínio no mercado, aumentando de 800.000 toneladas em 2016, para 1 milhão de toneladas, 73% dos lubrificantes de transporte em 2016. Essa participação está prevista para subir para 75 por cento em 2030.