Elétrico mais vendido do planeta chegará ao Brasil

0
83

Os consumidores ávidos por carros elétricos já podem comemorar. Nos últimos meses, as montadoras vêm negociando com produtores de energia e governos para aumentar a cadeia para abastecer esse tipo de veículo. Devido ao avanço das conversas, muitas já se movimentam nos bastidores para ampliar o mercado. Entre elas está a Nissan, que pretende ter já no primeiro trimestre o Leaf, o elétrico mais vendido do planeta.

Leaf

Segundo Marco Silva, presidente no Brasil da montadora, o elétrico, que já vendeu mais de 300 mil unidades em todo o planeta, deverá estar presente no próximo Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro, e disponível ao consumidor a partir do primeiro trimestre de 2019.

Elétrico mais vendido do planeta chegará ao Brasil no primeiro trimestre de 2019
Elétrico mais vendido do planeta chegará ao Brasil no primeiro trimestre de 2019

“Vamos colocar o Leaf já no Salão do Automóvel de São Paulo. A ideia é que ele chegue no mercado já no primeiro trimestre de 2019. Só dependemos da restrição da capacidade de produção no mundo devido à demanda. O certo é que não temos escala para produzir no Brasil. O que virá para cá possivelmente virá importado dos Estados Unidos”, explicou o presidente da companhia logo após o lançamento da fábrica da Nissan em Córdoba, na Argentina.

Otimismo

Marco, inclusive, vê com otimismo o futuro do mercado, inclusive a demanda para fornecimento de energia para o veículo.

“Temos uma grande demanda (por veículos elétricos). E uma coisa é certa: a infraestrutura virá. É ovo e a galinha. Ou você coloca a infraestrutura e terá o carro elétrico, ou coloca o carro e vem a infraestrutura. Temos negociado com governos, produtores de energia e é certo que vem”, completou Marco Silva.

A Nissan não comenta preços, mas o Leaf deve custar por volta de R$ 200 mil aos consumidores. Há a perspectiva de que esse veículo consiga ter o valor um pouco mais em conta, desde que tenha-se incentivos fiscais, benefícios que são comuns aos elétricos em outros países. (O Tempo)