Motorista diz que carro da Tesla bateu com autopiloto ligado

0
35

Autopiloto

O setor de transporte autônomo está em alta nos últimos anos, pois toda grande empresa de tecnologia já notou seu potencial. Contudo, ainda em testes, os veículos ainda não estão prontos para rodar por aí e prova disso são os crescentes números de relatos de acidentes — inclusive alguns fatais, como no caso do Uber e da Tesla. Agora, mais um caso envolve carros da companhia de Elon Musk e a motorista alega que a colisão com um caminhão estacionado aconteceu com um Model S no modo de piloto automático.

Fontes próximas aos fabricantes já disseram que eles vêm “suavizando” a detecção para proporcionar viagens sem freadas ou acelerações bruscas

Polícia de Utah

De acordo com a polícia de Utah, uma mulher de 28 anos afirma que o recurso Autopilot estava ligado quando atingiu, a quase 100 km/h, o utilitário dos Bombeiros. Por sorte, ela sofreu apenas uma fratura no tornozelo. A moça admitiu que no momento da batida estava observando o celular, o que não é indicado, pois a Tesla alerta aos condutores que, mesmo ao usar a ferramenta, é preciso estar atento para retomar o controle a qualquer momento. O National Transportation Safety Board (NTSB) conduz a investigação, que deve demorar um pouco para apresentar conclusões

Detalhes sobre o incidente com o Model X

A notícia aumenta ainda mais as críticas direcionadas aos fabricantes. Os detalhes sobre o incidente com o Model X ainda são obscuros e, mesmo que Elon Musk defenda seu sistema afirmando que os casos fatais no transporte tradicional são absurdamente maiores, fica difícil compreender como o hardware e o software não conseguiram detectar um automóvel grande e sinalizado como o dos Bombeiros, mesmo a uma velocidade maior do que o normal no trânsito.

Os especialistas estão de olho no ajuste dos radares dos projetos de todas as companhias, pois fontes próximas ao Uber, à Waymo e à General Motors revelaram que, para evitar viagens de teste desagradáveis, por conta de freadas e acelerações bruscas devido à intensidade com que a varredura cobre os arredores, as fabricantes têm diminuído a intensidade da detecção. A discussão continua e o NTSB deve cobrar mudanças em breve.

Fonte(s)

Imagen(s)