Cummins compra parte da Navistar em fábrica de motores

Unidade em Hefei nasceu para produzir modelos projetados no Brasil pela MWM

128

Cummins

Estamos orgulhosos do trabalho que realizamos por meio de nossa parceria com a JAC nos últimos cinco anos e acreditamos que essa estratégia é uma vitória para todas as partesPérsio Lisboa, executivo-chefe de operações (COO) da Navistar

Cummins – fábrica de motores

A Cummins anunciou que esta semana chegou a um acordo para comprar a parte da Navistar na fábrica de motores diesel mantida em sociedade com a JAC em Hefei, na China. A Cummins vai adquirir 50% da JAC-Navistar Diesel Engine Company (JND) e a JAC continua com a outra metade da joint-venture.

CumminsA parceria entre JAC e Navistar começou a ser gestada em 2011 com intermediação da subsidiária brasileira da companhia norte-americana, a MWM. Em 2014 a JND inaugurou sua fábrica em Hefei (leia aqui), com área de 1 milhão de metros quadrados e capacidade de 200 mil unidades/ano. Os motores diesel produzidos pela joint venture foram desenvolvidos inicialmente pela engenharia da MWM em São Paulo e adaptados para uso em caminhões JAC na China.

Cummins fornece motores à JAC Motors de porte leve

Há cerca de 20 anos a Cummins também fornece motores à JAC Motors de porte leve, médio e grande para o mercado doméstico chinês e operações globais. A nova joint venture continuará suas operações na fábrica em Hefei, produzindo motores a diesel com padrões de emissões NS V, além de dedicar esforços no desenvolvimento de novos produtos para atender aos padrões NS VI.

A empresa continuará sua parceria

Segundo a Cummins, a empresa continuará sua parceria com a Navistar em outros negócios. “Estamos orgulhosos do trabalho que realizamos por meio de nossa parceria com a JAC nos últimos cinco anos e acreditamos que essa estratégia é uma vitória para todas as partes”, comentou em nota Pérsio Lisboa, executivo-chefe de operações (COO) da Navistar.

A mudança de propriedade da joint venture na JND está sujeita à aprovação regulatória pelas autoridades chinesas e as operações devem começar após a conclusão desse processo.