Yamaha Crosser 150 Z: nova cara, mesma moto

0
84
Crosser 150 Z
Crosser 150 Z

Yamaha Crosser 150 Z

Quando é a hora certa de modificar uma moto? Quase infinitas variáveis são consideradas pela engenharia de uma fabricante antes de alterar um modelo e ele chegar até você, motociclista. Na Yamaha, a trail Crosser 150 Z, produto que estreou em 2014 e logo depois já foi oficializada como sucessora da XTZ 125, é fruto de três anos de projeto e ganhou nova versão no Salão Duas Rodas 2017, a “Z”.

O que muda?

Cor, grafismo — mudanças rotineiras — e o para-lama dianteiro, que agora é alto, além de sanfonas nas bengalas, típica proteção de motos trail tradicionais. A carenagem do farol mudou também, mas é quase imperceptível… Mas o que motivou essa nova versão? Uma pesquisa da Yamaha apurou que faltava o para-lama alto para a Crosser parecer uma autêntica aventureira. Você pediu, a Yamaha atendeu. Simples assim. Claro que o para-lama alto deixa ela mais parecida com a rival Honda Bros 160, lembrando que a “antiga” Crosser, com para-lama baixo, segue viva, agora batizada de versão “S”, R$ 200 mais acessível que a versão avaliada aqui, vendida por R$ 11490.

Design

Yamaha, XTZ 150 Crosser Z, Crosser 150 Z, Crosser Z, motos, trail, Ténéré 250, Salão Duas Rodas, Salão Duas Rodas 2017, Honda, Bros 160, Honda Bros, Metzeler Tourance, Fazer, Factor, testeAnalisando visualmente, destacamos a harmonia no design, em que apenas a tampa do tanque de combustível continua destoando pela simplicidade. Pelo desenho do tanque, se fosse utilizada a da Ténéré 250, ficaria perfeito, lindo, mas isso gera custos, e estamos falando de uma moto de baixa cilindrada… Na hora de virar a chave e acionar a partida com a nova versão, tudo igual. Circulando nos corredores formados entre os carros parados na caótica capital paulista, colocamos à prova a agilidade da sua ciclística, que não esconde segredos e é parecida com a da rival Bros.

A moto segue ágil, leve, com uma pilotagem fácil, muito natural e nitidamente é projetada para rodar dentro da cidade. As respostas do seu motor monocilíndrico de 149,3 cm³ com injeção eletrônica flex e escalonamento curto do câmbio de cinco velocidades com engates “amanteigados” comprovam isso. É o mesmo propulsor que equipa Fazer e Factor 150, sem alterações, nem nas curvas de potência e torque, nem na relação de transmissão final. Durante o teste, praticamente o tempo todo de uso ela ficou em torno de 6 000 rpm no seu belo painel de fácil leitura, com grande conta-giros de ponteiro na esquerda e display digital na direita, incluindo o útil indicador de marchas. Desta vez, realizamos as medições apenas com gasolina, com boa média de 40 km/l. O rendimento usando etanol é 27% menor. No caso, ficaria em torno de 29 km/l, com um pequeno ganho nas respostas em média e alta rpm.

Na estrada

Yamaha, XTZ 150 Crosser Z, Crosser 150 Z, Crosser Z, motos, trail, Ténéré 250, Salão Duas Rodas, Salão Duas Rodas 2017, Honda, Bros 160, Honda Bros, Metzeler Tourance, Fazer, Factor, testeNa estrada, a moto dificilmente chega a 120 km/h, quando está em 8 000 rpm. Na medição no dinamômetro comprovamos que o mapa de potência, com pico de 10,3 cv, sobe linear e constantemente até cerca de 7 000 rpm, quando começa a cair, ou seja, ela é boa em baixas e médias rotações, mas “falta motor” em altos giros, quando está, por exemplo, na estrada, comprometendo o conforto e o prazer na pilotagem —pontos fortes dessa moto quando usada na cidade. Vale lembrar que a própria Yamaha tem a Lander e a Ténéré 250 no line-up, com bom desempenho para cidade e que ainda favorecem escapadas para outros destinos.

O sistema de freio segue inalterado:

disco na dianteira e tambor na traseira. Esse último é o ponto negativo da Crosser 150 Z 2018, pois esperávamos, pelo menos, ver na roda traseira o freio a disco, que tem melhor modulação e não perde eficiência com o tempo, como ocorre no tambor. Na unidade avaliada, sentimos o freio dianteiro bem progressivo, diferente de testes anteriores com o modelo, mas, ainda assim, garantindo a segurança no uso urbano. Trocar o flexível do freio por um com malha de aço é mais que reA moto está equipada com o Metzeler Tourance, pneu de uso misto coadjuvante da pilotagem ágil e prazerosa da Crosser 150 Z. Em todas as condições do teste (asfalto seco e molhado, terra seca, com muita pedra solta e mato escorregadio) ele foi muito bem, passando a confiança que se espera durante a pilotagem. Se nos permite uma dica, não troque o modelo do pneu, pois esse Tourance parece feito sob medida para a Crosser.

Yamaha, XTZ 150 Crosser Z, Crosser 150 Z, Crosser Z, motos, trail, Ténéré 250, Salão Duas Rodas, Salão Duas Rodas 2017, Honda, Bros 160, Honda Bros, Metzeler Tourance, Fazer, Factor, testeNas suspensões, garfo telescópico de 33 mm na dianteira e monoamortecedor com link na traseira. Ambos sem opção de ajustes, mas bem calibrados, garantindo conforto para enfrentar qualquer terreno. Com garupa, o comportamento da ciclística muda minimamente, prova do bom trabalho da engenharia. Já o motor perde um pouco do seu bom desempenho com o peso extra, problema comum em motos de baixa cilindrada, lembrando que o limite de carga é de 157 kg, somando piloto, passageiro e bagagens.

Para quem pensa em uma 150 da Yamaha, antes de ver Fazer e Factor, indicamos que faça um test ride na Crosser. As trail custam um pouco mais, porém são mais confortáveis e prazerosas de pilotar. Mas, cuidado, pois quem prova moto trail dificilmente muda de categoria…

Texto: Marcelo Barros
Fotos: Renato Durães