ExxonMobil tem planos para dobrar resultados até 2025

225
ExxonMobil
Refinaria ExxonMobil de Baytown, no Texas

A ExxonMobil apresentou uma estratégia de crescimento agressiva que pretende mais do que dobrar o lucro e o fluxo de caixa das operações até 2025, aos preços atuais do petróleo. Os planos de crescimento incluem etapas para aumentar os resultados para cerca de US $ 31 bilhões, até 2025, aos preços de 2017.

“Temos o melhor portfólio de oportunidades de investimento de alta qualidade e alto retorno, que vimos em duas décadas”, disse Darren W. Woods, Presidente e Diretor Executivo da ExxonMobil, na reunião anual da empresa com analistas de investimentos na Bolsa de Valores de Nova Iorque.

“Nosso plano aproveita plenamente as forças e capacidades financeiras únicas da empresa, usando inovação, tecnologia e integração para impulsionar o valor para o acionista de longo prazo e os melhores retornos para a indústria”.

Plano da ExxonMobil projeta alto retorno

Os planos de crescimento incluem etapas para aumentar os resultados em mais de 100% (para US $ 31 bilhões até 2025, aos preços de 2017) do lucro ajustado do ano passado de US $ 15 bilhões, que excluiu o impacto da reforma tributária americana e a recuperabilidade de ativos.

Woods disse que este plano projeta taxas de retorno de dois dígitos em todos os três segmentos do negócio da ExxonMobil – upstream, downstream e chemical – que são todos negócios de classe mundial por direito próprio.

No segmento de upstream, a empresa espera aumentar significativamente os ganhos, através de uma série de iniciativas de crescimento que envolve investimentos de baixo custo de fornecimento em óleo de xisto, em águas profundas e no gás natural liquefeito (GNL) nos EUA. O crescimento pode ser esperado nos projetos novos e existentes deverá aumentar a produção de 4 milhões de barris equivalentes de petróleo por dia para cerca de 5 milhões.

A empresa planeja aumentar a produção de óleo de xisto cinco vezes da Bacia Permiana dos EUA, e iniciar 25 projetos em todo o mundo. Essas startups adicionarão volumes de mais de 1 milhão de barris equivalentes de petróleo por dia. No GNL, a empresa espera iniciar nova produção para atender a um aumento projetado na demanda global.

Crescimento em upstream inclui Brasil

O crescimento do segmento de upstream se beneficiará do sucesso de exploração e aquisições estratégicas da ExxonMobil. Somente em 2017, a empresa adicionou 10 bilhões de barris equivalentes de petróleo à sua base de recursos, incluindo a Bacia Permiana, em locais como a Guiana, Moçambique, Papua Nova Guiné e o Brasil.

Os principais impulsionadores do crescimento estão na Guiana, onde o sucesso da exploração adicionou 3,2 bilhões de barris brutos de recursos recuperáveis, ​​e há planos em vigor para o desenvolvimento e exploração adicional, e também no Permiano, onde a empresa aumentou o tamanho do seu recurso para 9,5 bilhões de barris equivalentes de petróleo, a partir de menos de 3 bilhões no ano passado.

Através da aquisição de várias entidades em 2017, a ExxonMobil adicionou um recurso estimado em 5,4 bilhões de barris equivalentes de petróleo na Bacia Permiana. A estimativa de recursos original de 3,4 bilhões de barris, no momento da compra, foi aumentada por meio de avaliação técnica e delimitação bem-sucedida na Bacia do Delaware, reduzindo o custo de aquisição para apenas US$ 1 por barril equivalente a petróleo.

Os campos da aquisição do Novo México agora estão estimando um fornecimento de mais de 4.800 poços de perfuração, com um comprimento lateral médio de mais de 12.000 pés, permitindo a execução eficiente de capital do crescimento de volumes do nível Permiano e o potencial para aumentar os volumes futuros.

“Estamos em uma posição sólida para maximizar o valor do aumento da produção do Permiano à medida que ela se move da cabeça do poço para nossas operações de refinação e químicas da Costa do Golfo, onde nos concentramos na fabricação de produtos de maior demanda e de maior valor”, disse Woods. .

Negócio de downstream deverá duplicar

O negócio de downstream da ExxonMobil deverá duplicar os ganhos até 2025, ao atualizar sua lista de produtos, por meio de investimentos estratégicos em refinarias em Baytown e Beaumont no Texas e Baton Rouge, Louisiana, Roterdã, Antwerp, Cingapura e Fawley no Reino Unido.

Espera-se que esses projetos resultem em retornos de dois dígitos, permitindo o aumento da produção de produtos de maior valor, como o diesel com ultra-baixo teor de enxofre, as matérias-primas químicas e os óleos básicos para lubrificantes. Como resultado dessas melhorias, as margens do segmento de downstream da empresa deverão aumentar em 20%.

A expansão é suportada pelo crescimento da demanda projetada em mercados emergentes, e inclui entradas em novos mercados, como o México e a Indonésia. É apoiada pela integração com a produção de químicos a o segmento de usptream.

Em seu negócio químico, a ExxonMobil espera aumentar a capacidade de fabricação na América do Norte e na Ásia Pacífico em cerca de 40%. Esse crescimento será alcançado, em parte, adicionando 13 novas instalações, incluindo duas unidades de craqueamento a vapor de classe mundial, nos Estados Unidos. Esses investimentos permitiriam a empresa atender a demanda crescente na Ásia e outros mercados em crescimento.

Maior valor para os acionistas

“Estamos posicionados de forma única para tirar proveito do crescimento da demanda global para produtos de maior valor nos segmentos de downstream e químicos”, disse Woods. “Nossos pontos fortes em tecnologia inovadora, recursos e acesso ao mercado, liderança e integração de produtos de marketing combinados melhoram a lucratividade e criam um valor significativo para os acionistas”.

Woods disse que a estratégia global de crescimento da empresa é projetada com um objetivo fundamental em mente – alavancando plenamente nossas vantagens competitivas para aumentar o valor para os acionistas, em todos as nossas três linhas de negócios de classe mundial. Através de retornos mais elevados com o aumento de investimentos, a empresa tem o potencial de aumentar seu retorno sobre o capital empregado para cerca de 15% até 2025.

“Nosso negócio e planos de crescimento existentes são robustos para uma ampla gama de ambientes de preços, o que nos permite manter um dividendo crescente e um sólido balanço, ao mesmo tempo em que retornamos o excesso de caixa para nossos acionistas”, disse Woods.