ILSAC GF-6 pode enfrentar mais atrasos

122

Um teste de motor proposto que é chave para a especificação de óleo do motor ILSAC GF-6 está falhando em discriminar os óleos de referência, informou um funcionário da API na semana passada.

ILSAC GF-6: relatório indica que haverá atrasos

ILSAC-GF6 ILSAC GF-6O relatório sobre o teste Sequência IVB pode significar atrasos adicionais para a esperada próxima geração de óleos de motor de automóveis de passageiros, que já não se espera que venha ao mercado até o início de 2020.

O teste Sequência IVB para o desgaste do trem de válvulas é um dos sete novos testes de motor incluídos na especificação GF-6 e o ​​único que ainda não foi aprovado. Somente após a aprovação, os grupos da indústria podem negociar a especificação final e desenvolver uma linha de tempo, para estimar quando os comerciantes de lubrificantes podem começar a vender óleos rotulados, atestando o cumprimento das novas especificações.

A equipe de vigilância da Sequência IV – um painel ASTM que reporta à API – vem realizando testes de matriz de precisão para avaliar a repetibilidade e reprodutibilidade do teste, juntamente com sua capacidade de discriminar, que significa identificar os óleos que fornecem o desempenho exigido e passam no teste.

Teste IVB ainda é o vilão

Após as reuniões da indústria, em dezembro, muitos especialistas da indústria pensaram que o teste IVB seria votado e aprovado, em uma série de reuniões realizadas em San Antonio, na semana passada, pelo Grupo de Lubrificantes do API e o Painel Consultivo Auto Óleo (um comitê conjunto de ILSAC e API). Uma vez aprovado, a Força-Tarefa de Diretrizes de Intercâmbio de Óleo Básico / Viscosidade Grade Read Across pode completar sua matriz de teste BOI / VGRA.

Bill Buscher, da Intertek, informou que a equipe de desenvolvimento da sequência IVB completou a matriz, mas que o teste não está pronto para aprovação. As fontes da indústria indicam que o teste não faz discriminação suficiente entre os óleos que passam e os que falham. Todos os óleos de referência superaram, na maioria das vezes, o limite proposto para ILSAC GF-6.

A equipe agora trabalhará com a indústria para tentar formular um óleo que falhe no teste, para demonstrar a habilidade desse teste para discriminar. Isso poderia atrasar ainda mais a linha de tempo do GF-6 por vários meses. O painel de vigilância se encontrará no final deste mês para avisar quando a matriz de precisão pode ser completada.

Previa-se que o primeiro licenciamento do ILSAC GF-6 poderia ser agendado para o final do primeiro trimestre de 2020, se os resultados do teste matricial tivessem sido bons o suficiente para que a Sequência IVB fosse votada na semana passada, mas um cronograma oficial não pode ser avançado até que este teste esteja completo, porque essa etapa é necessária antes que o trabalho do BOI / VGRA comece.

As empresas de aditivos também precisam avaliar suas tecnologias, considerando que o limite de falha e aprovação proposto para o teste parece ser muito rigoroso.

Força-tarefa avança no trabalho

Quando o trabalho no GF-6 começou em 2012, o API apontou para o primeiro licenciamento começar em 2016, mas a linha do tempo se deparou com inúmeros atrasos, principalmente devido a testes de motores que demoraram mais do que o esperado para se desenvolver. Dado todos os atrasos passados, os indivíduos que trabalham na especificação estão relutantes em prever um cronograma definitivo, até que os problemas em torno da seqüência IVB sejam resolvidos.

As reuniões realizadas em San Antonio, em 7 e 8 de fevereiro, mostraram avanços em outras frentes. A Força-Tarefa BOI/VGRA está avançando com seu trabalho em outros testes e espera terminar as diretrizes para eles, até o final de junho.

O mais notável diz respeito ao novo teste LSPI-Sequence IX. Este teste também é parte da API SN Plus, e ajuda a solidificar 1 de maio de 2018 como a primeira data de uso permitida para esta especificação provisória. A matriz BOI / VGRA foi concluída e os dados preliminares mostram que os aditivos afetam o desempenho do óleo muito mais do que a seleção de óleos  básicos ou outros fatores. Isso deve permitir o intercâmbio generoso de óleos básicos e a implantação de uma nova categoria de óleos básicos, que os comerciantes de precisem cobrir.

Economia de combustível é crítica

O trabalho da BOI/VGRA sobre os novos testes de economia de combustível (sequências VIE e VIF) está em andamento e deve ser concluído no segundo trimestre. Isso é crítico para permitir que a indústria substitua completamente o teste da sequência VID, para levantar o licenciamento provisório atualmente para o ILSAC GF-5. A Sequência VID não está disponível desde o primeiro trimestre de 2017, o que impactou tanto a ILSAC GF-5, como a especificação Dexos1 Generation 2 da GM.

Os comitês também ouviram que os testes das Sequências IIIG e VG para espessamento e depósitos de óleo, e para lama e verniz, respectivamente, possuem apenas aproximadamente 25 testes antes de chegarem ao fim de suas vidas. Parece que os novos ensaios Sequência IIIH e Sequência VH estarão totalmente instalados antes que isso ocorra, com limites equivalentes estabelecidos para as categorias antigas, que foram desenvolvidas pelo Grupo de Supervisão de Vida de Categoria do API, e foram ou serão aprovadas pelo Grupo de Lubrificantes do API.