Mudança dramática na formulação do óleo lubrificante marítimo

0
159

lubrificante marítimoOs formuladores de óleo lubrificante marítimo devem estar se preparando agora para uma mudança dramática, disse Dick Wolpert, gerente de linha de produtos marítimos da Chevron Oronite, na Conferência Internacional de Óleos Básicos e Lubrificantes da ICIS no mês passado.

Os regulamentos sobre poluição marítima da Organização Marítima Internacional reduzirão o limite total de enxofre do combustível para embarcações oceânicas para 0,5% em peso, a partir de 1º de janeiro de 2020 – em apenas dois anos.

Longo prazo para o desenvolvimento do lubrificante marítimo

Os óleos de motores marítimos enfrentam longos prazos para o desenvolvimento de produtos, com testes extensivos de motores e campo. As aprovações de lubrificantes são conduzidas por fabricantes de motores marítimos, e as formulações baseadas em componentes químicos existentes, e normalmente demoram de dois a quatro anos para receber cartas de “não objeção” dos OEMs. Com novos componentes, isso se estende para quatro a seis anos.

As reduções de enxofre no combustível exigidas pela Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios (Marpol) irão influenciar nas necessidades de aditivos nos óleos de cilindros e óleos de motor de conexão direta, Wolpert lembrou os ouvintes. O atual limite de enxofre para a maior parte do mundo, que está em vigor desde 2012, é de 3,5 por cento em peso.

“A implementação de 2020 será perturbadora para as indústrias de transporte e refino”, previu Wolpert.

Os operadores de navios têm várias opções para atender ao limite de enxofre reduzido. Os navios podem continuar a usar óleo combustível residual com alto teor de enxofre, mas devem ser equipados com um depurador para remover os óxidos de enxofre dos gases de escape. Os combustíveis alternativos, como os destilados e o gás natural liquefeito, também são opções, assim como a mudança para o novo combustível pesado com baixo teor de enxofre. A questão é, Wolpert se perguntou, qual prevalecerá?

A Chevron Oronite vê incertezas críticas como o nível de aplicação e cumprimento do novo regulamento; quão rápido a nova tecnologia de lavagem é adotada; a disponibilidade de navios capazes de queimar LNG; e a economia relativa com as alternativas de combustíveis.

Mudanças nas participações de mercado

No segmento de motores marítimos de dois tempos, a empresa prevê que óleos de cilindros de 15 a 40 BN (Número de Base, indicando a capacidade de neutralização do ácido do óleo) suplantarão uma porção significativa de óleos de alto BN, ocupando cerca de 50% do mercado até 2020, conforme os operadores deixarem de queimar óleo residual pesado e mudem para combustíveis destilados e híbridos de baixo teor de enxofre. A norma atual para óleos de cilindros marítimos é de 70 BN.

Os navios que queimam combustíveis com 0,1% ou menos de enxofre precisarão de óleos de cilindro com cerca de 40 BN, e os navios com GNL precisarão de óleos com cerca de 25 BN, disse Wolpert.

Os combustíveis com muito baixo teor de enxofre (<0,1 por cento de enxofre) terão cerca de 15% do mercado em 2020, e os navios de GNL representarão menos de 5% de início, e aumentarão ligeiramente sua participação até 2025. Cerca de 30% do mercado , serão equipados com depuradores e continuarão a queimar óleo combustível pesado com mais de 0,5% de enxofre.

Para os óleos de motor de conexão direta usados ​​em motores de quatro tempos (TPEO), o fabricante de aditivos projeta que óleos de 12 a 30 BN, usados ​​com combustíveis compatíveis com baixo teor de enxofre, captarão cerca de 45% do mercado. Os TPEOs “Clássicos” têm sido de 40 a 50 BN, observou Wolpert.

TPEOs de 12 a 20 BN – necessários para navios que utilizam combustível com menos de 0,15% de enxofre – continuarão a manter um pouco menos de 20% de participação de mercado. Os navios que queimam GNL usam óleos de 5 a 15 BN e aumentarão constantemente sua participação de mercado, de cerca de 5% em 2015, para pouco menos de 15% em 2025.

“Se você reduzir o BN para se adequar ao teor de ácido, você ainda precisará de controle de depósito, então haverá alguns ajustes nas formulações de óleo”, advertiu Wolpert.