ILSAC GF-6: Luz no fim do túnel?

150

As reuniões semestrais da ASTM, em Houston, na semana passada, incluíram discussões de vários grupos com foco no desenvolvimento da especificação de óleo do motor, e tudo indica que avançaram significativamente no sentido de adotar a já bastante atrasada especificação ILSAC GF-6, para óleo de motor de automóveis de passageiros. Agora parece possível que ela possa ser finalizada até o final do primeiro trimestre de 2018.

API SLO Painel de Classificação de Óleo de Motor de Veículos de Passageiros e o Painel Consultivo Auto/Oil aceitaram a Sequência X, um novo teste para o desgaste da corrente, que está sendo adicionado à GF-6.

Só falta finalizar a Sequência IVB 

O resumo do trabalho na Sequência X deixa apenas um teste ainda a ser aprovado para a GF-6, o teste da Sequência IVB para desgaste do trem de válvulas. A Sequência IVB, que está substituindo a Sequência IVA, está sendo submetida a testes destinados a verificar se é repetível e se discrimina adequadamente os óleos que fornecem a proteção do trem de válvulas que se pretende medir daqueles que não o fazem.

Bill Buscher, da Intertek, relatou que foram feitos progressos significativos e que a matriz de precisão será concluída este mês. Ele compartilhou dados indicando que o teste parece discriminar os óleos de referência que passam dos que falham, e que os dois principais laboratórios de testes da indústria estão apresentando resultados consistentes. Se a matriz continuar a funcionar bem, segundo Buscher, a IVB será apresentada para aprovação final em fevereiro, durante as reuniões da indústria agendadas, em San Antonio – Texas.

Grupo discutiu substituição da Sequência IVD

O Grupo de Supervisão de Vida das Categoria (CLOG) discutiu o trabalho que está fazendo para estabelecer limites em testes que farão parte do GF-6, bem como API SN Plus, a categoria de óleo suplementar que a indústria está tentando desenvolver, para acelerar a introdução dos óleos no mercado, até que a ILSAC GF-6 finalmente chegue ao mercado.

Os membros disseram que o trabalho na Sequência VIF para economia de combustível, que será parte da GF-6, está terminado e que eles estão se aproximando do acordo sobre limites para a Sequência VIE, que está sendo desenvolvida como um substituta para a Sequência VID.

A Sequência VID já não está mais disponível, e isso levou o API, no início deste ano, a invocar o licenciamento provisório de especificações que a incluam, de modo que a indústria está ansiosa para concluir o trabalho para sua substituição. Os fabricantes de automóveis pediram limites mais estritos do que os propostos pelo CLOG. O mesmo é verdade para o teste Sequência VH para lama e verniz. Ambos os itens foram passados ​​para o Grupo de Lubrificantes do API, para a resolução final.

Previsão é finalizar ILSAC GF-6 até março

Ron Romano, da Ford, previu que a GF-6 poderia ser finalizada até o final de março, assumindo que a Sequência IVB seja aceita em fevereiro. Isso proporcionaria que o licenciamento da especificação começasse em torno do primeiro trimestre de 2020.

O outro encontro-chave foi liderado por Rick Dougherty, da ExxonMobil, sobre o intercâmbio de óleo básico e o cruzamento dos graus de viscosidade, que determinam até que ponto os formuladores podem substituir parte do teor de óleo básico de um óleo aprovado, sem a necessidade de refazer o teste que faz parte da especificação. Os indivíduos que participaram da reunião disseram que um progresso foi relatado e o grupo assinou um memorando de entendimento para liberar fundos para matrizes de teste.

Sequência IX está incluída

Entre os testes incluídos nesse exercício estão a Sequência IX para pré-ignição à baixa velocidade, que é parte da SN Plus, e a Sequência VIE, outra fonte de licenciamento provisório. Se esse teste funcionar bem, a SN Plus aparece, tendo o primeiro uso permitido em 1 de maio.

Houve também uma discussão sobre a Sequência IIIH para o desempenho do controle da oxidação e o controle de depósitos, que faz parte das categorias mais antigas API S e C. O Painel de classificação de serviço pesado revisou e aceitou limites de aumento de viscosidade, o que deve permitir que o API mantenha CH-4, CI-4 e CJ-4 como especificações ativas. Os fabricantes de motores gostariam de fazer isso porque acreditam que ainda há demanda por eles entre os operadores de caminhõe