ANP interdita postos no Rio de Janeiro por fraude nas bombas

64

ANP interdita postos no RioA ANP identificou esta semana fraudes metrológicas em três postos no Rio de Janeiro, que vendiam combustíveis em quantidade inferior à que era marcada na bomba e cobrada dos consumidores (a chamada “bomba baixa”). 

A operação, realizada nos dias 29 e 30/11, contou também com a Polícia Civil, o Instituto de Pesos e Medidas (Ipem-RJ) e o Inmetro. Foram fiscalizados oito postos na capital e em Duque de Caxias, que já vinham sendo alvo de investigações da ANP e da Secretaria de Estado de Segurança.

No primeiro dia da fiscalização, em ação conjunta com a Polícia Civil, a ANP constatou indícios da fraude e acionou o Ipem e o Inmetro, únicos órgãos que possuem atribuição legal para abrir as bombas de combustíveis. Os fiscais desses órgãos comprovaram a presença de dispositivos eletrônicos que alteravam o volume marcado em postos localizados na Penha (alteração de 9,25%), em Madureira (10%) e em Vila Valqueire (6,5%). As bombas foram interditadas tanto pela ANP quanto pelos órgãos metrológicos. O lucro obtido pelos três postos com a fraude é avaliado em R$ 500 mil em 2017.

Outros postos no Rio violaram lacres do Ipem

Nos outros cinco postos fiscalizados, não foram detectados dispositivos eletrônicos. Contudo havia lacres do Ipem violados, o que indicou a possibilidade de as bombas terem sido abertas pelos estabelecimentos sem autorização.

Em casos como esses, as bombas de combustíveis possuem um dispositivo instalado no componente responsável por enviar a informação do volume fornecido, alterando o valor apresentado. Esse dispositivo pode ser acionado e desligado através de controle remoto, o que dificulta a sua identificação pela ANP, que não tem autorização legal para abrir as bombas.

A Agência, em conjunto com os órgãos metrológicos, vem realizando capacitação dos seus fiscais para detectar índicos da presença da fraude e, nesses casos, acionar os órgãos competentes. A ANP também realiza operações conjuntas com esses órgãos em todo o país.