Competição pode ameaçar produtores asiáticos de básicos

0
68

Os produtores asiáticos ajudaram bastante a satisfazer a sede mundial de óleos básicos dos Grupos II e III, mas enfrentarão uma crescente concorrência no exterior e em casa de fornecedores do Oriente Médio e outros lugares, de acordo com analistas do ICIS.

Na década de 1990, a SK Lubricants e a S-Oil, da Coréia do Sul, tornaram-se os primeiros grandes fornecedores comerciais mundiais de básicos dos Grupos III e II, exportando para a América do Norte, Europa e Japão, para ajudar a atender a demanda nos mercados de lubrificantes mais avançados do mundo.

A indústria se diversificou ao longo dos anos, com as bases de abastecimento dos EUA e da China mudando em grande parte para o Grupo II, mais plantas do Grupo III e II brotando ao longo da região do Pacífico e capacidade adicional de Grupo III surgindo na Europa. Nos últimos anos, várias grandes plantas abriram no Oriente Médio e a fábrica do Grupo I da Luberef em Yanbu’al Bahr, na Arábia Saudita, está se preparando para completar uma grande atualização e expansão para a produção de Grupo II.

Produtores asiáticos enfrentam competição

Os comerciantes desses óleos já estão exportando para a Europa e os Estados Unidos, onde se defrontam com fornecedores asiáticos e, segundo a Gerente e Editora Senior da ICIS, Veena Pathare, logo se aventurarão nos quintais das empresas asiáticas.

“Nós não vemos o Oriente Médio ser um grande player ainda na China, mas esperamos ver isso no futuro”, disse ela no dia 10 de outubro na Conferência de óleos básicos e lubrificantes do Oriente Médio, em Dubai. Ela acrescentou que os mercados de óleo básicos na China e na Índia se tornarão mais competitivos para os fornecedores.

Na China, isso deve-se em parte às expansões planejadas em diversas plantas domésticas e os planos da PetroChina para atualizar várias de suas instalações de Grupo I. Pathare disse que a ICIS espera que os refinadores dos EUA também se juntem à briga na Ásia, expandindo seus negócios atuais na Índia.

Plantas de Grupo I sob pressão

“A China e a Índia são os principais mercados de grande volume”, disse ela. “Esses mercados são realmente atraentes para os fornecedores da Ásia e do Oriente Médio”.

A crescente disponibilidade de Grupo II – juntamente com preços atrativos – aumentará a pressão sobre as plantas de Grupo I na Ásia. Na América do Norte e na Europa, essa mesma dinâmica fez com que numerosas plantas de Grupo I se fechassem nas últimas duas décadas.

“A participação do Grupo I na Ásia estará sob pressão do fornecimento de Grupo II no Oriente Médio, na Ásia e também dos EUA”, disse Pathare.