Arábia Saudita acaba com a proibição de mulheres motoristas

0
24

Arábia Saudita acaba com a proibição de mulheres motoristas. No mês passado, a Arábia Saudita suspendeu sua proibição de longa data para as mulheres se tornarem motoristas, alimentando a especulação de que essa decisão histórica possa desencadear um aumento nas vendas de veículos e, por implicação, o consumo de lubrificantes acabados.

Os números superficiais parecem atraentes, pois a Arábia Saudita tem uma população feminina de cerca de 14 milhões, mas analistas consideram que para o mercado automotivo a previsão possa estar exagerada.

Arábia Saudita acaba com a proibição de mulheres motoristas
Arábia Saudita acaba com a proibição de mulheres motoristas

De acordo com pesquisas recentes da IHS Markit, as vendas de veículos novos provavelmente serão menores do que o esperado. A empresa de pesquisa prevê que o mercado de fabricantes de automóveis na Arábia Saudita será limitado a 6,5 ​​milhões de mulheres na faixa etária de 20 a 49 anos, o que ainda é um número elevado, mas muitas famílias já possuem mais de um carro, enfraquecendo a possibilidade de compra de novo veículo.

Enquanto isso, apesar das sombrias previsões para serviços de táxi e serviços como o Uber e Careen, com base em Dubai, a IHS Markit diz que a pronta disponibilidade dessas soluções e a incerteza sobre as leis patriarcais que controlam muitos aspectos da vida das mulheres, notadamente seus movimentos fora de casa, podem também limitar a demanda.

Ainda assim, estima-se que a suspensão da proibição possa adicionar 60 mil unidades por ano, de 2019 a 2030, e elevar as vendas de veículos leves para mais de 850,000 unidades até 2021-2022. Mas Mouyad Nashar, consultora sênior da Kline & Co., diz que desconsidera as implicações culturais do fato de a Arábia Saudita ter sido, até o mês passado, o único país do mundo a proibir as mulheres de dirigir. “Levantar a proibição legalmente não significa elevar as barreiras sociais e mudar completamente as normas sociais tão enraizadas, isso pode acontecer apenas entre o segmento de mentalidade progressiva”.

Samir Nawar, CEO da Petromin na Arábia Saudita, disse que o desenvolvimento foi positivo, mas concorda que o impacto no setor de lubrificantes será limitado. “A decisão foi tomada, e nós a recebemos bem, porém, para nós, ela terá um efeito modesto nos lucros”. No início deste mês, ele revelou que a Petromin  está considerando implantar uma rede de lubrificação rápida – Petromin Express – para atender à motoristas femininas.

Fim da proibição de mulheres motoristas pode ocultar outros problemas

No entanto, a euforia sobre o decreto do rei Salman bin Abdulaziz Al Saud, que anula a fátua religiosa (decisão da lei islâmica) emitida pelos clérigos em 1990, mascara questões mais amplas sobre o estado perigoso da economia saudita. IHS Markit diz que a convergência de subsídios governamentais reduzidos, o alto custo de vida e um pano de fundo de baixos preços do petróleo resultou em um declínio na confiança do consumidor e uma queda nas vendas de automóveis.

As vendas de veículos leves diminuíram 12,2%, para 706,1 mil unidades no ano passado, em condições de mercado difíceis, e as vendas totais foram de apenas 300 mil unidades nos primeiros sete meses de 2017, uma queda de 28% em relação ao mesmo período anterior do ano anterior.

Mais preocupantemente, espera-se que a Economia do Reino contrate 1,3 por cento este ano, apesar de uma inversão dos cortes nos benefícios do serviço civil, prevê a Capital Economics. No entanto, a remoção da proibição provavelmente beneficiará todos os segmentos e marcas de automóveis. Os veículos sedãs e os utilitários esportivos ganharão mais, já que esses tipos são tradicionalmente favorecidos pelos compradores sauditas. Esses segmentos são dominados por Toyota, Hyundai, Nissan e Ford.

Os analistas dizem que o movimento leva a um maior empoderamento feminino na Arábia Saudita, e terá implicações para o cenário econômico e comercial, o que poderia beneficiar positivamente o setor automotivo no curto e médio prazo.