Demanda de Lubrificante para Turbinas Eólicas deve aumentar

0
125

turbinas eólicasEspera-se que a demanda de lubrificantes para turbinas eólicas cresça a uma taxa anual composta de 7,5% até 2020, graças a um aumento considerável nas instalações de turbinas eólicas, disse Chuck Coe na conferência ICIS North American Industrial Lubricants.

Segundo Coe, presidente da Grease Technology Solutions, a demanda de lubrificantes para turbinas eólicas atingiu um valor entre 31.000 e 36.000 toneladas, em 2015. O óleo de engrenagem representa 70% dessa demanda, seguido de fluido hidráulico com 25%.

Graxas para turbinas eólicas: pequenos volumes e altas margens

“As graxas são apenas 5%, mas, francamente, é a aplicação mais desafiadora. É 5% do volume, mas eu estaria disposto a apostar que é provavelmente 15% a 20% da margem do fornecedor de lubrificantes “, disse Coe.

Tipicamente, as graxas de cálcio e de complexo de lítio nos graus NLG 1,5 a 2 são utilizadas em rolamentos de passo, guinada e principal, e as graxas complexas de lítio, cálcio e lítio de grau NLGI 2 são utilizadas em rolamentos de geradores.

O óleo de engrenagem é usado para as caixas de velocidades, e o fluido hidráulico é usado nos sistemas hidráulicos que controlam o passo, que é o ângulo das lâminas no vento.

Embora represente a menor quantidade de demanda, a graxa é utilizada no maior número de locais: no rolamento do eixo do rotor principal; no rolamento da guinada; nos rolamentos de passo ou lâmina; nas engrenagens de transmissão de passo; e nos rolamentos do gerador.

“A caixa de velocidades e os sistemas hidráulicos usam consideravelmente mais volume de lubrificantes, em comparação com os rolamentos engraxados”, explicou Coe, em entrevista.

Demanda de lubrificantes sintéticos pode aumentar

A demanda é uma função de muitas coisas, incluindo capacidade operacional e frequência de relubrificação. Em termos de capacidade operacional, “uma turbina maior não tende a usar mais lubrificantes, então você ganha mais energia com menos lubrificantes”, observou Coe.

Isso significa que não pode haver uma correlação direta entre o crescimento da demanda de lubrificantes e a capacidade de energia eólica. As turbinas frequentemente estão em locais remotos e possuem pelo menos 80 metros de altura, dificultando a tarefa de relubrificação.

“Há uma enorme movimentação dos operadores e dos fabricantes de equipamentos originais das turbinas eólicas para ampliar a vida do lubrificante e reduzir a frequência de relubrificação”, disse Coe durante sua apresentação. Isso amortece a taxa de crescimento do lubrificante.

Devido ao impulso para reduzir os intervalos de relubrificação, e porque as condições climáticas em torno de turbinas eólicas podem ser extremas, a penetração de sintéticos entre as graxas de turbinas eólicas é de aproximadamente 75 por cento.

O índice de viscosidade mais alto dos óleos sintéticos oferece melhor mobilidade a baixa temperatura e estabilidade térmica em alta temperatura, aumentando a vida útil do lubrificante. “Você quer que uma longa vida reduza a manutenção”, observou Coe.