Iniciativas Internacionais em Segurança Química

0
22

Iniciativas Internacionais em Segurança Química

Por: Newton Richa

Segundo a ficha técnica do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA (UNEP, SDG, FactSheet, March13, 2015), a poluição química, em todas as suas formas (ar, água, solo, alimentos etc.), constitui a principal causa de morte em todo o mundo atualmente. Em virtude da falta de informação, treinamento, regulamentação, fiscalização e outras medidas de prevenção e controle, cerca de 94% dessas mortes concentram-se nos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, como o Brasil.

Esses fatos justificam as numerosas iniciativas internacionais lideradas pela ONU e por outros organismos internacionais e regionais para melhorar a gestão dos produtos químicos em todos os países. Além disso, alertam para a prioridade que as ações no campo da Segurança Química devem receber no país, oitavo produtor químico e maior consumidor de agrotóxicos no mundo.

Iniciativas Internacionais em Segurança Química
Iniciativas Internacionais em Segurança Química

A Segurança Química é um conceito global referente à proteção das pessoas e do meio ambiente em todo o ciclo de vida dos produtos químicos, que, atualmente, abrange: concepção, projeto, desenvolvimento, produção, transporte, armazenamento, utilização e descarte de resíduos. No Brasil, as ações governamentais, da indústria e de outros segmentos da sociedade civil vêm sendo desenvolvidas e articuladas pela Comissão Nacional de Segurança Química (CONASQ), colegiado vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.

Química Verde

Definida como um conjunto de 12 princípios que, quando usados no projeto, desenvolvimento e implementação de produtos e processos químicos, permitem aos cientistas proteger e beneficiar a economia, as pessoas e o planeta, abrangendo:
1- Prevenção: evitar a formação de resíduos tóxicos;
2- Eficiência Atômica: incorporar o maior número possível de átomos dos reagentes no produto final;
3- Síntese Segura: metodologias sintéticas que utilizam e geram substâncias com pouca ou nenhuma toxicidade à saúde humana e ao ambiente;
4- Desenvolvimento de Produtos Seguros: produtos que não causem danos ao ambiente;
5- Uso de Solventes e Auxiliares Seguros: utilização de substâncias auxiliares inócuas ou facilmente reutilizáveis como solventes, agentes de purificação e secantes;
6- Busca pela Eficiência de Energia: desenvolvimento de processos que ocorram à temperatura e pressão ambientes;

Iniciativas Internacionais em Segurança Química

7- Uso de Fontes de Matéria-Prima Renováveis: uso de biomassa como matéria-prima deve ser priorizado;
8- Evitar a Formação de Derivados: evitar processos que envolvem intermediários com grupos bloqueadores, proteção/desproteção, ou qualquer modificação temporária da molécula;
9- Catálise (Seletividade): em substituição aos reagentes estequiométricos;
Produtos Degradáveis: biocompatibilidade; não devem permanecer no ambiente, degradando-se em produtos inócuos;
10- Análise em Tempo Real para a Prevenção da Poluição: possibilidade de formação de substâncias tóxicas deverá ser detectada antes de sua geração; e
11- Química Intrinsecamente Segura para a Prevenção de Acidentes: minimização do risco de acidentes, como vazamentos, incêndios e explosões.

O objetivo final da Química Verde é reduzir, fisicamente, as quantidades de produtos químicos com impacto negativo na saúde humana e no meio ambiente.

Clique na revista abaixo e leia o restante do artigo na revista LUBES EM FOCO:

Lubes em Foco 61