ILSAC GF-6 poderá ter solução para teste até o fim do ano

0
58

Montadoras querem ILSAC GF-6 o mais rápido possível

Muitas das recentes notícias de lubrificantes para automóveis de passageiros foram focadas na proposta de categoria suplementar “API SN-Plus”. As montadoras norte-americanas e asiáticas deixaram claro que seu principal objetivo ainda é conseguir que a atualização da categoria de óleo de motor ILSAC GF-6 seja implantada o mais rápido possível, sem atraso, devido à introdução da categoria suplementar.

A API SN-Plus (uma designação de emergência para contemplar a pré-ignição a baixa velocidade que prejudica o motor) tornou-se necessária devido aos atrasos contínuos no desenvolvimento dos testes de motor da GF-6.

Há algum tempo, o Painel Consultivo Auto-Oil (AOAP) responsável pela criação do GF-6 não quer revisar a linha de tempo “oficial” para seu lançamento; eles estão esperando até que todos os novos testes necessários estejam prontos, e há muito pouca probabilidade de que a previsão mude novamente. O American Petroleum Institute – API então pode definir uma data para que os produtos compatíveis possam mostrar a nova categoria em seus rótulos.

Novo teste de motor para desgaste do trem de válvulas

Como as reuniões recentes mostram, agora parece que o tempo provavelmente dependerá dos últimos esforços para completar o novo teste de motor da Sequence IVB, para proteger contra o desgaste do trem de válvulas.

Na reunião de junho do AOAP, Bill Buscher, do laboratório de teste do motor, Intertek, encerrou todas as preocupações com a Sequência IVB e as etapas a serem tomadas para melhorar e finalizar este teste-chave, que está sendo patrocinado pela Toyota Motor. No final da reunião do AOAP, em 14 de setembro em Detroit, Buscher e Terry Kowalski da Toyota apresentaram uma atualização e uma nova linha de tempo para este teste, e relataram o progresso feito para resolver todos os problemas, que incluiu abortar uma matriz de teste de precisão.

Buscher comentou que “o trabalho está em bom caminho para iniciar a nova matriz de precisão em outubro, e todo o trabalho deve ser concluído e a matriz de precisão analisada até o final do ano, de modo que o teste poderá ser aceito no início do Ano Novo”.

É notável que a Toyota obteve fundos para compensar aqueles gastos da indústria para o trabalho da matriz abortada, e a nova matriz de precisão incluirá apenas os laboratórios de teste independentes, por enquanto, e não os laboratórios internos de empresas de petróleo e aditivos.

Este teste também pode afetar o licenciamento dos atuais óleos de motor e dos mais antigos, já que a Sequência IVA será o único teste restante para ajudar a definir a proteção contra desgaste em categorias API “S” ativas para óleos de motor de automóveis de passageiros.

Testes do motor

Do ponto de vista histórico, a indústria já teve dois testes visando o desgaste do motor: a Sequência VE patrocinada pela Ford avaliando o desgaste a baixa temperatura e a Sequência IIIE, da General Motors, para desgaste a alta temperatura. Quando a Sequência VE atingiu o fim de seu ciclo de vida, a Ford a substituiu pela Sequência VG e o parâmetro de desgaste foi descartado, primeiro para a VG e agora para a sua substituta, a VH.

A Sequência IVA foi introduzida na ILSAC GF-3 como uma nova prova de desgaste.

GF-6

Isso faz com que a Sequência IVB não seja apenas crítica para a GF-6, mas também para ajudar a garantir a manutenção das categorias de óleo do motor mais antigas e, portanto, está sendo acompanhada de perto pelo Grupo de Supervisão de Vida de Categoria do API, chamado de CLOG Team.

Múltiplos critérios de avaliação em um teste complica 

Como muitos sabem, o desenvolvimento de teste de motor é difícil e a análise de múltiplos critérios de desempenho o torna ainda mais difícil. É por isso que a maioria dos testes de motor é focada em uma única medição, como lama, por exemplo, e ajuda a explicar por que os testes atualizados raramente tentam se concentrar em múltiplos parâmetros.

O Complicador da capacidade de manutenção posterior é que o apetite de formulação para a Sequence IVB da Toyota pode ser diferente da Sequência IVA (que usou um motor Nissan), o que significa que não pode ser uma substituição direta, e pode tornar as categorias antigas obsoletas.

Uma possibilidade poderia ser incorporar um limite químico, como um mínimo de 800 ppm para o fósforo, como foi feito quando a Sequence VE já não estava disponível. Um limite químico não é desejável para qualquer uma das partes interessadas, porque restringe a flexibilidade da formulação e, dado que os níveis atuais de fósforo variam de 600 a 800 ppm, isso pode restringir a capacidade de manutenção posterior. Além disso, ao se confiar exclusivamente no teor de fósforo, não se consideram outras substâncias químicas para aditivos, que também proporcionam proteção contra desgaste.

Os fabricantes de automóveis e os comerciantes de óleos também precisam de óleos para reposição e, com sorte, o CLOG poderá desenvolver uma solução com a Sequence IVB. O relógio está correndo, pois o teste atual da Sequência IVA provavelmente se tornará obsoleto no momento em que o GF-6 for formalmente introduzido.

Melhorias no teste animam equipe de desenvolvimento

A equipe de desenvolvimento parece confiante em que as últimas melhorias levarão o desenvolvimento do teste de motor IVB a uma conclusão bem sucedida, e isso pode permitir que o AOAP negocie uma nova linha de tempo, levando em consideração o trabalho de intercâmbio de básicos e viscosidades (BOI / VGRA), que levará dois ou três meses, uma vez que a IVB for considerada pronta, bem como a demonstração de tecnologia e período de espera obrigatório.

As partes interessadas da indústria estarão assistindo de perto, pois todos gostariam de fechar o estudo a tempo para que o planejamento possa ocorrer em todos os outros trabalhos necessários para lançar os produtos ILSAC GF-6 para seus clientes.