Digitalização será tendência para a indústria de lubrificantes

0
65

A chefe de pesquisa e desenvolvimento global da Fuchs Petrolub SE, Christine Fuchs, identificou a digitalização como uma das quatro principais tendências da indústria global de lubrificantes.

No entanto, uma pesquisa recente com tomadores de decisão nas áreas de Tecnologia da Iinformação (TI) e Operações da GE, nos Estados Unidos, destacou uma diferença emergente entre as perspectivas executivas para  uma transformação digital e as iniciativas tomadas pelas empresas.

Digitalização será uma tendência importante para a indústria de lubrificantes (Foto cortesia da GE digital)
Digitalização será uma tendência importante para a indústria de lubrificantes (Foto cortesia da GE digital)

Digitalização será uma tendência importante

A Pesquisa mostrou que, enquanto as empresas percebem a Internet Industrial das Coisas (IIoT) apresentando oportunidades significativas para crescimento e competitividade no futuro, uma grande maioria não estão tomando as ações necessárias para se beneficiar dessas oportunidades.

O Estudo, encomendada pela GE Digital, foi realizada entre 20 de setembro de 2017 e 16 de outubro de 2017, e incluiu uma pesquisa com 250 tomadores de decisão de TI e Operações nos Estados Unidos, em cinco áreas industriais (fabricação, serviços públicos, energia / energia e transporte e aviação / aeroespacial), bem como entrevistas em profundidade com executivos de nível C (CEOs, CIOs, CDOs e COOs) em cada uma dessas cinco áreas.

“A Internet industrial já está tendo um impacto profundo em empresas industriais de todos os tamanhos. Nós sabemos isso porque estamos vendo benefícios reais em nossos clientes e na GE de forma geral”, disse Bill Ruh, CEO da GE Digital. “Ao mesmo tempo, surge uma lacuna entre as perspectivas para a IIoT e as ações. “Estamos trabalhando para fechar esse espaço, em parceria com os clientes, visando acelerar a mudança e orientar empresas de todos os tamanhos ao longo de suas viagens digitais”.

Otimismo

De acordo com o estudo, o otimismo entre os executivos da indústria com o potencial da Internet Industrial é impressionante. Oitenta por cento acreditam que a IIoT quer ou pode ser transformacional para suas empresas e indústrias. Mais ainda, consideram a transformação industrial digital ser importante para sua competitividade. Ao mesmo tempo, apenas 8% desses executivos dizem que a transformação digital está arraigada a seus negócios, e 10% não possuem um plano de transformação digital.

Com base no estudo, a GE criou o GE Digital Industrial Evolution Index para rastrear o progresso real da transformação digital – do ponto de vista da IIoT. O índice inaugural reflete uma pontuação total de 63 em uma escala de 100 e indica que, embora as perspectivas para a internet industrial sejam muito fortes, com pontuação de 78,3 (em 100), a prontidão da empresa está significativamente atrasada, atingindo 55,2 (em 100).

Essa desconexão – entre a perspectiva e a prontidão da empresa – apresenta um desafio e uma oportunidade para as empresas que buscam se beneficiar da IIoT, disse a GE. O mundo industrial é complexo e cria um conjunto único de desafios tecnológicos. A IIoT requer múltiplas tecnologias – conectividade, sistemas de controle, computação em nuvem, entrada e gerenciamento de dados, análise e aprendizado de máquinas, segurança, governança de dados – em vários usuários e cenários diferentes.