ABNT analisa criação de norma específica para troca de óleo

0
63

ABNT analisa criação de norma específica para troca de óleo

Por: Sindilub

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) já iniciou o levantamento das “partes interessadas” no estabelecimento de uma regra específica para as operações de óleos lubrificantes. A informação é de José Luiz Albertin, chefe de Secretaria do Comitê Brasileiro Automotivo (ABNT CB005), que é mantido pelos setores econômicos ligados ao seu escopo Veículos Rodoviários. Além do cargo ocupado por Albertin, a estrutura do ABNT CB005 é composta pelo seu superintendente, engenheiro Ali El Hage, e a analista Elbe Conceição.

O Comitê atua na “normalização no campo de automóveis, caminhões, tratores, ônibus, ciclomotores, bicicletas, motocicletas, autopeças e componentes, bem como na reparação de veículos, emissões veiculares no que concerne a terminologia, requisitos, métodos de ensaio e generalidades”.

Novas normas

Sindilub – A AEA discute desde 2011 a necessidade de criar uma norma técnica específica para as operações de troca de óleos lubfificantes. Como a ABNT acompanha esse assunto?

ABNT analisa criação de norma específica para troca de óleo
ABNT analisa criação de norma específica para troca de óleo

José Luiz Albertin – Essa é uma forma bem típica de demanda por uma norma, em que entidades representativas de setores da sociedade debatem e trabalham temas de interesse. Desse movimento e do amadurecimento do tema surgem as demandas por normas técnicas. O ABNT CB005 mantém rotina de encontros, reuniões e participa de entidades representativas do setor automotivo, como a AEA. Cabe comentar que a demanda, neste caso, foi discutida na entidade técnica AEA, mas vem mesmo por intermédio do Sindilub e seus associados. Os benefícios de uma norma técnica sobre troca de óleo em veículos rodoviários são difusos para toda a sociedade. Todos se beneficiarão.

Sindilub – Qual a importância de se ter uma norma ABNT para as trocas de óleos lubrificantes?

José Luiz Albertin – A manutenção correta de um veículo tem um efeito individual para o proprietário do veículo e também coletivo. Focamos nesse benefício coletivo. Haver um critério técnico acessível ao público implica melhor qualidade para todos, mais economia, mais eficiência, mais segurança. Um aspecto que pode ser coberto por uma norma é a qualificação do profissional da troca de óleo. Penso ser esse o ganho mais nobre. O desenvolvimento profissional é melhor assegurado se tivermos estabelecidas as competências necessárias. Assim como já existe uma norma de qualificação para o mecânico de oficina de automóvel, ficarei particularmente contente de ver uma para o profissional de troca de óleo.

Aspectos a serem observados

Sindilub – Que aspectos devem ser observados em uma norma ABNT para as trocas de óleos lubrificantes?

José Luiz Albertin – Na normalização fazemos sempre a pergunta básica: “Qual problema essa norma vem resolver?” Essa pergunta simples permite a uma Comissão de Estudos da ABNT explorar o quanto uma norma será útil. Permite também escolher se devemos fazer algumas normas independentes ou se adotamos um desenvolvimento em partes. No segundo caso, podemos ter, por exemplo, cada parte da norma tratando de um tema específico daquele assunto.

 

Clique na revista abaixo e leia o restante do artigo na revista LUBES EM FOCO:

Lubes em Foco 61