Refinarias começam a reabrir após passagem do furacão Harvey

0
55

refinarias

As refinarias que possuem as duas maiores plantas de óleos básicos dos EUA preparam-se para reabrir, uma semana após o furacão Harvey ter deixado a costa do Golfo dos Estados Unidos.

Refinarias da Motiva e ExxonMobil iniciam reabertura

A Motiva disse ontem que estava no estágio final de avaliação dos equipamentos e estágios iniciais das operações de reinício, em sua refinaria em Port Arthur, Texas, que abriga uma planta de óleo básico de Grupo II de 40,3 mil barris por dia. Em um comunicado à imprensa, a empresa disse que espera que a refinaria esteja operando em 40% da capacidade até domingo.

Enquanto isso, a ExxonMobil disse que estava avaliando as instalações e reiniciando operações em sua refinaria de Baytown, no Texas, que inclui uma planta de Grupo I e II de 28.000 barris/dia.

Nenhuma das duas empresas comentou especificamente o estado das suas plantas de óleo básico, que, em conjunto, representam 24% da capacidade de óleo básico dos EUA.

Fontes da indústria disseram que estima que os mercados globais de óleos básicos seriam impactados se as plantas forçadas pelo Harvey a desligar continuassem fechadas por duas semanas ou mais.

Independentes temem por abastecimento

“A questão é, quando as plantas estarão de volta às operações”, disse Jim Kudis, presidente da Allegheny Petroleum Products Co., na sexta-feira. Allegheny é um misturador independente, baseado em Wilmerding, Pensilvânia. “Espero que as pessoas estejam bem e que não haja muito dano, mas em termos de negócios, quero saber quando posso obter produtos com eles”.

Não surpreendentemente, as empresas de lubrificantes supridas pelas fábricas fechadas são mais vulneráveis ​​aos impactos decorrentes de interrupções nas operações, segundo informações da indústria.

“Agora, partes dos EUA supridas pela região de Houston estarão usando seus estoques e, em seguida, os estoques de seus distribuidores”, disse Annie Jarquin, diretora da consultoria de energia da Kline & Co.. Ela previu que as plantas vão voltar rapidamente depois que as águas da inundação recuarem, mas acrescentou que os problemas ainda poderiam surgir devido ao tempo necessário para reabastecer os níveis de estoque.

Plantas de aditivos também preocupam

As empresas de lubrificação também estão preocupadas com o estado das plantas que fornecem aditivos ou produtos químicos usados ​​para fazer aditivos. A Lubrizol disse que sua fábrica de aditivos no Deer Park, Texas – a principal instalação da empresa na América do Norte – foi fechada e sofreu uma pequena quantidade de dano.

A tempestade também forçou o fechamento de numerosas refinarias petroquímicas que produzem componentes para materiais como detergentes, dispersantes e emulsionantes utilizados na produção de lubrificantes, bem como glicóis, ésteres sintéticos e polialfaolefinas.

“Não é apenas óleos básico”, disse Ronald M. Powell, presidente da Moroil Technologies, um misturador independente em Concord, Carolina do Norte. “Os aditivos também são um problema, e você precisa considerar não só o fornecimento de pacotes de aditivos, mas também os componentes individuais”. A Lubrizol e outras grandes empresas de aditivos fornecem pacotes de aditivos usados ​​em lubrificantes de alto volume como óleos de motor, mas muitos fabricantes independentes adquirem aditivos componentes individuais para fazer vários tipos de lubrificantes industriais.

Pode ser muito cedo para saber a extensão da interrupção na disponibilidade de tais materiais, mas os misturadores disseram que já começaram a fazer planos de contingência.

“Eu imagino que a maioria das empresas está identificando suas matérias-primas críticas e olhando como elas são produzidas e onde elas são produzidas”, disse Powell na sexta-feira. “E, se eles têm materiais que vêm do Golfo, eles estão fazendo o que for prudente para tentar garantir que seu suprimento desses materiais não seja interrompido”.

 

Reportagem de TIM SULLIVAN E KATIE KELLENBERGER

Joe Beeton, Boris Kamchev, Gabriela Wheeler e George Gill contribuíram para esta reportagem.