Mercado de lítio vê união entre Chile e Austrália

0
46

mercado de lítio

Mercado de lítio atento à união de empresas

O mercado de lítio mundial viu a Sociedade Química e Minera de Chile SA (SQM), um produtor e distribuidor integrado de lítio, iodo, nutrientes especiais de plantas, fertilizantes relacionados com potássio e produtos químicos industriais, formar uma joint venture com a australiana Kidman Resources Ltd. para consolidar três fábricas complementares para produzir lítio em todo o mundo: o Salar de Atacama, no Chile, o Salar de Caucharí, na Argentina, e o depósito Mount Holland Spodumene, na Austrália.

A Kidman Resources, uma empresa de metais preciosos e básicos, detém o depósito de lítio Global Brandy, o mais significativo do mundo, bem como o 1 Moz Mt. Holland Gold Project, localizado centralmente dentro do Forrestania Greenstone Belt,  perto da Southern Cross da Austrália Ocidental.

Piscinas de lítio no deserto do Atacama

O anúncio de joint venture segue a aquisição pela SQM de 50% de participação da Kidman no projeto Mt. Holland Lithium, pagando US$ 30 milhões em dinheiro. A oferta está sujeita a que a SQM e a Kidman concordem com a documentação formal, refletindo os termos comerciais descritos na oferta, até de 30 de setembro de 2017.

Além disso, a SQM contribuirá com US$ 80 milhões para financiar parte dos custos de desenvolvimento do projeto. Como parte desta contribuição de despesa, após a execução da documentação formal, a SQM fornecerá um empréstimo convertível de US$ 21,5 milhões para a Kidman, para avançar o projeto, enquanto as condições pendentes necessárias para a implantação da joint venture são satisfeitas.

Espodumênio

O empreendimento conjunto desenvolverá uma mina de espodumênio, uma planta de concentração e uma planta de refino. O objetivo inicial da produção seria de aproximadamente 40 mil toneladas métricas por ano de LCE (carbonato de lítio equivalente), em 2021. A Kidman manterá o direito exclusivo de explorar ouro dentro da área do projeto.

“Atualmente, o mercado de lítio tem uma demanda global de cerca de 200 mil toneladas de carbonato de lítio equivalentes (LCE) por ano e cresce a taxas próximas de 14% ao ano. Acreditamos que é altamente provável que a demanda mundial exceda 500 mil toneladas até 2025. O uso de baterias de lítio na indústria automotiva marca uma tendência que revolucionará a demanda global nos próximos anos “, disse Patricio de Solminihac, CEO da SQM.

“Nossa experiência como líder na indústria, há mais de 20 anos, nos coloca em uma posição privilegiada para capturar as oportunidades que surgem no mercado do lítio”, afirmou. “O Salar de Atacama, Caucharí e Mount Holland excedem os nossos objetivos: são depósitos de alta qualidade, com grande potencial de crescimento futuro, o que nos permitirá continuar sendo operadores com baixos custos de produção total, em todas as nossas fábricas”.