JAMA propõe especificação SAE 0W-8

183
jama
Foto: Lukas Gojda/Fotolia

Membros da Associação Japonesa de Fabricantes de Automóveis (JAMA) querem continuar pioneiros em óleos lubrificantes de baixa viscosidade, desenvolvendo uma especificação para óleos de motores SAE 0W-8, até abril de 2019, para o mercado de veículos de passageiros do país.

A SAE International definiu os graus de viscosidade SAE 0W-8 e SAE 0W-12 adicionando-os ao J300, seu sistema de classificação de viscosidade, mas o SAE 0W-8 ainda não foi incorporado em nenhum dos principais padrões de desempenho do óleo do motor. A JAMA pretende adotar a especificação como um dos padrões da Organização de Padrões Automotivos Japoneses (JASO), que são seguidos no Japão e em toda a Ásia, onde os veículos japoneses são populares.

Enquanto os fabricantes japoneses de caminhões pesados e motocicletas desenvolvem os padrões JASO, os fabricantes japoneses de automóveis de passageiros cooperam com seus homólogos norte-americanos para desenvolver especificações de óleo para automóveis de passageiros através do Comitê Internacional de Normalização e Aprovação de Lubrificantes (ILSAC).

JAMA que seu próprio padrão JASO

Mas os membros da JAMA acreditam que precisam de seu próprio padrão JASO neste caso, de acordo com uma fonte familiar com os objetivos da JAMA. Pedindo anonimato, ele disse ao Lube Report Asia que a especificação JASO SAE 0W-8 proposta não pode ser imediatamente popular fora do Japão e de outros países da Ásia, mas será boa o suficiente até que os outros dois grandes mercados desenvolvidos (Estados Unidos e Europa) a adotem. Isso pode não acontecer até que a ILSAC emita sua categoria GF-7, possivelmente vários anos depois de emitir GF-6, em 2019.

A JAMA acredita que, se ela propuser a adição do SAE 0W-8 aos padrões ILSAC, que são administrados pelo American Petroleum Institute (API), ainda pode levar vários anos para ser incluído como um produto para economia de combustível. Os fabricantes (OEMs) norte-americanos poderiam estar relutantes em comprometer-se com outro programa de desenvolvimento de categoria de longo prazo envolvendo mais uma despesa de recursos, disse a fonte, e é provável que nenhuma outra parte interessada no mercado norte-americano esteja interessada no SAE 0W-8. Dessa forma, os atrasos parecem inevitáveis.

Enquanto isso, os membros da JAMA não querem perder, nem comprometer quaisquer oportunidades de promover óleos de baixa viscosidade, à luz do endurecimento dos mandatos regulatórios para a redução do dióxido de carbono (CO2).

Além disso, a formulação de um óleo SAE 0W-8 não é difícil, explicou a fonte. Em termos de viscosidade, os óleos SAE 0W-8 podem ser feitos simplesmente removendo-se todos os melhoradores do índice de viscosidade de um produto SAE 0W-20 e ajustando outros aditivos.

Fabricantes japoneses querem viscosidades menores

Muitos fabricantes de equipamentos originais japoneses consideram, há algum tempo, tentar melhorar a economia de combustível através do uso de óleos de motores com viscosidades ainda menores do que os dos óleos SAE 0W-20 e SAE 0W-16. A Honda, por exemplo, já introduziu um óleo de motor de “ultra-baixa viscosidade”, o Ultra Next, embora não comercialize o produto como satisfazendo qualquer grau de viscosidade específico.

Teste para economia de combustível é peça-chave

Dado este pano de fundo, os membros da JAMA concordaram em tentar desenvolver uma especificação de óleo de motor de ultra-baixa viscosidade o mais rápido possível, de acordo com o sistema de definição de padrões da JASO. Segundo o funcionário, um grande obstáculo para os OEMs japoneses será desenvolver um teste de economia de combustível adequado para avaliar a contribuição real dos óleos de ultra-baixa viscosidade.

JAMA e JASO estão confiantes de que será possível concluir o desenvolvimento do teste a tempo, sob o sistema JASO, principalmente porque o grupo japonês de padrões tende a avançar em projetos, enquanto a maioria dos membros votantes acreditam que eles fazem sentido no nível técnico.

A fonte sugeriu que esta poderia ser uma boa oportunidade para outras organizações da indústria para considerar fatores que estão complicando e retardando a entrega de testes de óleo de motor e atualizações de categoria,  uma tendência que recentemente tem atraído queixas de vários cantos das indústrias de óleo, química e automobilística.

Quaisquer que sejam as razões por trás dos processos de desenvolvimento da categoria atual na América do Norte e na Europa, ele disse que não devem impedir a JAMA e outros de buscar alternativas que melhorem óleos de motor em veículos de forma mais rápida e eficiente.